quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Rafael Vicente texto do Marcus Lontra na Galeria Quarta Parede, SP












Segue o texto do Marcus Lontra da minha exposição que está rolando em São Paulo na Galeria Quarta Parede
CONSTRUINDO PONTES
Certa vez escrevi que era preciso se habituar com a arte na qual não há mais
pintura para depois se habituar com a pintura que subsiste em qualquer produto artístico. Assim é

o mundo contemporâneo, nas suas imagens virtuais e velozes, numa dimensão distante da
convivência pictórica que exige fisicalidade, permanência, silêncio. Em tempos líquidos a pintura é
matéria, concretude, presença e materialidade. Mas ela é, também, ideia, descoberta,
encantamento e provocação. E Rafael Vicente acredita nesse poder transformador, nesse conceito
que aproxima passado e presente, na coragem de enfrentar a história e mergulhar nessa arena
com a torção do arco e a precisão da flecha.
O pintor não ignora a tradição; dela ele se apropria para criar pontes de
comunicação entre os saberes. As representações de mundo através das leis da perspectiva são o
ponto de partida para uma aventura de volumes, elementos em expansão, construção de formas
que vivem na urgência do movimento, do abismo, do desequilíbrio. Elas brincam com as formas
de Samson Flexor e com os bólides de Helio Oiticica mas elas não ordenam mundos nem
constroem utopias. Para o artista o passado recente é fonte de inspiração e respeito mas é
também, e principalmente, uma alavanca, uma ferramenta de diálogo com o mundo
contemporâneo. Por isso elas são assim, belas e estranhamente tensas, delicadas em seus pontos
de fuga, e sugerem urbes nas quais a beleza nasce das frestas, daquilo que resiste, que
permanece, que insiste em sobreviver. Quando a beleza das coisas que vemos - e temos - corre na
direção daquilo que não conhecemos, a arte se transforma em estranheza, paixão e
encantamento.
Assim caminham as obras de Rafael Vicente, agora mais sensíveis a um cromatismo
mais vibrante, acentuando diferenças tonais e destacando a sua precisa articulação das formas no
espaço. Trata-se de um artista com domínio dos seus meios expressivos e ao mesmo inquieto e
criativo, construindo, pedra a pedra, quadro a quadro, a sua obra, a sua verdade, a sua história. E
assim seguimos, as tardes caindo como viadutos e a gente insistindo em acreditar na arte como
território de esperança e de resistência. Em tempos sombrios, a História nos ensina que a arte é a
vestimenta sagrada dos bravos e corajosos.
São Paulo. outubro. 2018




Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now