terça-feira, 31 de julho de 2018

Louise Nevelson





Louise Nevelson, (1899-1988), Nasceu em Kiev e morreu em Nova York. Em 1905, sua família emigrou para os Estados Unidos.  Graduou-se pela Art Studentes Leagues, Nova York. Casou-se, em 1920 com Charles e teve um filho. Separou-se em 1930. A família do marido nunca aceitou sua atividade artística. Em 1931, viajou para Europa por conta própria, deixando o filho com a família. Lá, foi aluna de Hans Hoffman e Chaim Gross participou, de início, da arte conceitual utilizando-se de objetos encontrados e fez pintura e gravura antes e dedicar-se a escultura. Seus trabalhos lembravam peças de quebra-cabeças com múltiplas peças colocadas em esculturas de paredes quase sempre pintadas em branco ou preto. Foi assistente de Diego Rivera no mural para o Rockfeller Center. Com ele teve relação amorosa. De volta a Nova York teve uma vida muito dura tendo que apanhar papeis e madeiras nas ruas para colocar na lareira. In 1941, Nevelson teve sua primeira individual na Nierendorf Gallery. Para sobreviver tornou-se professora de escultura numa escola para adultos. Fez várias individuais em diferentes galerias e o Whitney Museum of American Art comprou uma obra sua. O mesmo museu realizou sua primeira individual n em 1967.  É considerada uma das pioneiras das instalações e "site especific". Participou da Bienal de Veneza.
Em 2005, sua neta Maria  criou a Louise Nevelson Foundation para divulgar e preservar a obra da artista.





Clown tight rope walk, 1942 John D. Schiff, photographer. Louise Nevelson papers, Smithsonian Institution.


Dancing Figure, 1953-1955. Tate Gallery, Londres.


Black Wall, 1959. Tate Gallery, Londres.

Case with Five Balusters, from Dawn's Wedding Feast, 1959.   Collection Walker Art Center.

Royal Tide IV, 1960.


Sem título, 1963. MoMA, NYC.



An American Tribute to the British People, 1960-1964. Tate Gallery, Londres.


Mrs. N's Palace, 1964. Metropolitan Museum of Art, NYC.

Untitled (Sky Cathedral), 1964.


Black Crescent, 1971

Luminous Zag: Night, 1971. Guggenheim Museum, NYC.

Necklace, 1972. Metropolitan Museum of Art, NYC.

Small Model IV, 1972. Guggenheim Museum, NYC.

White Vertical Watter, 1972. Guggenheim Museum, NYC.

Night Fly  # 1, 1973. Airport Conference Center.

Untitled (Gold), 1974. 


Dawn’s Presence – Three, 1975.

Dawn’s Landscape XXXII, 1975.

Sem título, 1978. Coleção particular.


Sem título, 1981. Coleção particular.

 City on the High Mountain, 1983. Espólio Louise Nevelson.

 Mirror Shadow XXXXII, 1987 No. 19142

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Tributo a Júlio Pomar





Júlio Pomar (1926-2018)  Nasceu em Lisboa. Em 1942, matriculou-se na Escola de Belas Artes de Lisboa, onde permaneceu por dois anos, transferindo-se para Escola de Belas Artes do Porto. Juntou-se a um grupo de artistas chamado de Independentes. No início da carreira, foi influenciado por Portinari e os muralistas mexicanos Orozco, Diego Rivera e Siqueiros. Entre 1945-1957, participou do movimento Neo-Realismo. Foi um duro opositor do regime de Salazar. Foi preso e teve obras destruídas e outras confiscadas. Numa viagem a Espanha, estudou a obra de Goya com significativa influência em seu trabalho. Ilustrou o livro Don Quixote. Participou da Bienal de São Paulo. Em 1960, estabeleceu-se em Paris. Em 1988, esteve em Mato Grosso, Brasil acompanhado a filmagem de Quarup dirigido por Rui Guerra. A vida indígena trouxe mais assuntos para seu trabalho. Em 2013, foi inaugurado o Atelier-Museu Júlio Pomar para conservação e divulgação da obra do artista. Pomar dou 300 trabalhos. Recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade de Lisboa.



Gadanheiro, 1945. Museu Nacional de Arte Contemporânea.


O Almoço do Trolha, 1946-1950.



Maria da Fonte, 1957.


Cegos de Madrid, 1959.


Subúrbio.




Metro, 1964.



Chantily, 1965.


O Banho Turco, 1971.

Auto-retrato, Duas (ou Três) Laranjas e, de Pernas para o Ar, um Macaco, 1973. Coleção particular.



La Table de l'architecte, 1977.


Le Signe, 1978.

Le Luxe, 1979. Centro de Arte Moderna.

Série: Os Tigres, 1983.


Série: Os Tigres, 1983.

Fernando Pessoa, 1983. Painel de Azulejos, estação do Meropolitano Alto dos Moinhos, Lisboa.



Camões, 1983. Painel de azulejos, estação do Metropolitano Alto dos Moinhos, Lisboa.

Baudelaire, Edgard Poe, Mallarmé e Fernando Pessoa, 1983. Coleção Manuel de Brito.


Fernando Pessoa encontra D. Sebastião: Num "Caixão sobre um Burro Ajaezado à Andaluza", 1985.


Presidente Mario Soares. Museu da Presidência da República.



Fau Pas Tutt Noter. Duo de Piratas, 2001.

Le Jugemte de Paris, 2002.

Tartaruga, 2003.


A Viagem do Argonauta

Ilustração para o livro Don Quixote.


Vitrais para a Igreja da Sagrada Família.
Livro com três textos de Eça de Queirós e vinte desenhos de Júlio Pomar.

Museu Júlio Pomar, Lisboa.


Museu Júlio Pomar.

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now