quinta-feira, 30 de junho de 2016

Desaparecimento: primeiros estudos de Rodrigo Linhares no espaço do Projeto Fidalga







Desaparecimento: primeiros estudos é a estreia de Rodrigo Linhares e apresenta no espaço do Projeto Fidalga três séries de estudos: fotografia, autorretrato e pintura. A exposição é o resultado do trabalho desenvolvido por ele na residência Paulo Reis durante o mês de junho, iniciativa sem fins lucrativos que tem como objetivo o intercâmbio entre artistas. O convite foi de Albano Alfonso e Sandra Cinto, idealizadores do espaço. O texto crítico é de autoria da artista Fernanda Gassen. 
O Projeto Fidalga, uma extensão do Ateliê Fidalga, surgiu em 2012 como um espaço independente, sem fins-lucrativos, dedicado a projetos experimentais e residências artísticas com o objetivo de intercâmbio de ideias e experiências.

No dia 16/07, às 15h, acontecerá um bate papo com o artista.





Exposição: Desaparecimento: primeiros estudos
Artista: Rodrigo Linhares
Abertura: 02 de julho de 2016, sábado, às 18h
Período: 03 de julho a 23 de julho de 2016
Local:  Projeto Fidalga - www.ateliefidalga.com.br
Rua Fidalga, 299 - Vila Madalena - São Paulo - SP
Fone: (11) 3813-1048 I 99844-0313
Horário: Segunda a domingo com hora marcada


Relações e Projeções, de Simone Mendes.




A LEVEZA E DESCONSTRUÇÃO DE RELAÇÕES E PROJEÇÕES 


Após mais de 15 anos de intensas e múltiplas experiências artísticas a defensora pública Simone Mendes, que faz da arte uma busca pelo seu equilíbrio, lança no próximo dia 14 de julho, às 19h30, a sua primeira individual intitulada Relações e Projeções, no Espaço Cultural da Defensoria Publica ADPERJ, no Centro do Rio.
Na mostra que conta com a curadoria de Fabiano Cafure e texto de apresentação de Raquel Lazaro, a artista deixa de lado, temporariamente, sua até então forte e diversificada paleta de cores e parte para o desafio de explorar o universo onde predominam apenas as cores primárias e neutras - o preto e o branco. Explora o universo infindável de relações entre elas e projeções a partir delas. Observar a tensão que consegue, a partir do impacto dessas matizes reduzidas no público, foi o ponto de partida dos estudos.

Nas 30 obras criadas à mão livre, em acrílico sobre papel, rompe a resistência a essas cores relacionadas entre si, que reduzidas proporcionam mais leveza e desconstrução do trabalho estanque. Essa circulação da energia está evidente nas três séries que compõem a exposição. A primeira reflete uma fixação dos tempos remotos da infância da artista pelas caixas, propondo então um rompimento do padrão cartesiano, que lhe permite expandir uma limitação, extrapolando a comunicação. Progressivamente o trabalho foi clarificando uma desconstrução, buscando a suavidade das formas, partindo de um ponto robusto com estrutura pesada, passando pelas esferas que se mesclam com árvores fluidas, e enfim retornando a sua própria referência original, porém, desta vez, com extrema delicadeza.

Em sua trajetória artística transitou em diferentes técnicas e temas, recebeu influência de Tápies, Rotcko, cursou Parque Lage com Anabela Geiger e Fernando Chocciarale, explorou materiais diferentes como a encáustica com Katie Van Sherphenberg, até montar o atelier no Instituto Kreatori em 2014 onde desenvolveu seu mais recente trabalho.
A defensora pública busca na arte uma forma de contrabalançar o seu cotidiano permeado pela tragédia social, a brutalidade humana e o descaso, que transmuta com leveza as formas e conceitos. “Noites são em regra o palco do meu trabalho, onde e quando me vejo mais silente, e a mente e o gesto se encontram de forma mais harmônica e consciente, Onde há paz”, explica.



 Delicadeza

Encontro




Poli.

 Trio.




Jogo



Relações e Projeções, de Simone Mendes: Abertura dia 14 de julho, às 19h30, na ADEPERJ, Rua do Carmo, 7/ 16o andar – Centro. Telefone: 2220.2527. Visitação de 15 de julho a 15 de agosto, de segunda a quinta, das 11h às 16h.

Pedro Varela e encontro de encerramento com a participação dos artistas Mauro Piva, Bruno Novelli e Ivan Grilo

Última semana Pedro Varela e encontro de encerramento com a participação dos artistas Mauro Piva, Bruno Novelli e Ivan Grilo
Esta é a última semana para visitar a individual do artista Pedro Varela, em cartaz até sábado (02). Neste dia, a partir das 11h30, acontece também um encontro de encerramento com a participação dos artistas convidados Bruno Novelli, Ivan Grilo e Mauro Piva. Na conversa, Varela irá falar de alguns aspectos de seu trabalho presentes nessa nova exposição, como a representação de uma identidade dos trópicos, a apropriação de imagens, personagens conceituais e o desenho como forma de traduzir pensamentos. Tais temas serão discutidos também em um diálogo com a obra desses três artistas.

“Meu trabalho estabelece um diálogo com alguns pontos específicos da produção de cada um. Com Bruno compartilho o processo de construção da imagem por meio da "colagem" de elementos, quebrando a percepção de uma composição realista. Com Mauro o diálogo aparece a partir da percepção da natureza na arte e do desenho como eixo central de nossas produções. Com Ivan temos  em comum a busca de referências históricas, que surgem por meio de personagens conceituais ou elementos simbólicos reapresentados de maneira poética”, explica Varela.

A paisagem tropical e seu imaginário construído por representações reais e fictícias a partir de um olhar para história da arte tem sido uma das questões tratadas pelo artista em sua produção mais recente. Nesta última  individual, a mesma temática volta a aparecer, desta vez em um novo conjunto de pinturas e recortes em que ele passa a inserir também personagens reais e fictícios por entre um emaranhado de flores, plantas e caules. A relação entre ficção e história é outro tema também bastante presente nesses trabalhos. Personagens de diversas épocas que contribuíram para construir a ideia de uma identidade tropical se misturam aos elementos da natureza de forma difusa e por vezes pouco nítida. Entre eles, destacam-se, por exemplo, uma imagem do pintor alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858), do jornalista Vladimir Herzog enforcado e da cantora Carmem Miranda.

#02.07 - 11h30 – Conversa de encerramento com Pedro Varela e os artistas convidadosMauro PivaIvan Grilo e Bruno Novelli. Mediação: Nathalia Lavigne.

Serviço
Zipper Galeria
Rua Estados Unidos, 1.494 – Jardim América – São Paulo
Tel. (11) 4306-4306
Horários: de segunda a sexta, das 10 às 19h; e sábado, das 11 às 17h
Entrada livre e gratuita 

5th moscow international biennale for young art | deep inside Galeria Nara Roesler

alice miceli5th moscow international biennale for young art | deep inside

1 de julho - 8 de outubro de 2016/july 1st - october 8th, 2016

trekhgornaya manufaktura exhibition space | moscow, russia





Anos de pesquisa e trabalho em territórios impenetráveis, apagados do mapa por estarem repletos de minas terrestres, em locais como Camboja, Colômbia e Bósnia, renderam a Alice Miceli um impressionante conjunto de obras que presta uma poderosa contribuição à tradição da fotografia de paisagem. Nós temos o prazer de anunciar a participação da artista na 5th Moscow International Biennale for Young Art: Deep Inside, curada por Nadim Sammancom o capítulo Colombia, de sua série em andamento chamada In Depth. 


After years of research and work in impenetrable territories that have been written off of the planet because they are riddled with land mines in places such as Cambodia, Colombia and Bosnia, Alice Miceli has amassed an impressive body of work that is a powerful addition to the tradition of landscape photography. We are pleased to announce that she will be participating in the 5th Moscow International Biennale for Young Art: Deep Inside curated by Nadim Samman with her Colombia chapter to this ongoing series she calls In Depth

Conversa e Lançamento de Catálogo Digital | Casa Contemporânea Rosa Esteves.




Segundas Contemporâneas terá bate-papo com o artista Frantz Arte Contexto






View this email in your browser
Segundas Contemporâneas terá bate-papo com o artista Frantz

No dia 4 de julho, segunda-feira, o projeto “Segundas Contemporâneas” irá receber o artista gaúcho Frantz para liderar o debate sobre arte. O projeto busca estimular reflexões sobre a produção criativa e sobre o sistema das artes a partir de um convidado atuante em nosso circuito cultural.

Frantz participa do cenário artístico rio-grandense desde os anos 1980 e vem levantando, através de seus trabalhos, discussões sobre o universo pictórico, sobre a noção de autoria e sobre o acaso como processo criativo. Representado pela galeria Mamute, de Porto Alegre, e tendo em sua trajetória premiações e exposições de peso, como a individual “Pinturas não realizadas” (Bolsa de Arte, em 2001), ou sua participação na última Bienal do Mercosul (2015), Frantz extrapola a noção de pintura tradicional. Incorpora a presença do acúmulo, do resto, e da espontaneidade, fazendo do espaço do ateliê o principal autor de suas obras.

Com o intuito de explorar os limites implicados na linguagem da pintura, bem como a ideia de performatividade, que aparece também nos trabalhos de Frantz, o bate-papo promete avançar por questões pertinentes ao terreno da cultura visual, buscando aproximar o público a esses  debates. O projeto é uma organização da plataforma Arte ConTexto, dirigida por Paola Fabres e Talitha Motter, em parceria com o espaço Mangue. Nesse dia, haverá ainda serviço de bebida e gastronomia no local. A entrada é gratuita, mas aceitamos contribuições espontâneas para a continuação do projeto.

Sobre o projeto Segundas Contemporâneas
O projeto “Segundas Contemporâneas” é organizado pelo Mangue e pela plataforma Arte ConTexto e tem como proposta trazer artistas atuantes em Porto Alegre para falarem sobre seu processo criativo. Os encontros vêm ocorrendo desde abril e já contaram com a participação de Samy Sfoggia, Rômmulo Conceição, Mayra Redin, Eduardo Montelli, Marion Velasco e Giancarlo Lorenci.

Serviço:
O quê? Segundas Contemporâneas – Frantz
Quando? 04 de julho, às 19h30
Onde? Rua Doutor Alcides Cruz, n. 398, Porto Alegre/RS às 19h30
Quanto? Colaboração espontânea

Creativity MasterClass 01 / Sol na Barriga – SP / MAM / Próxima semana


Bolsa de Arte | Porto Alegre | Hugo França | Poética Orgânica



Mostra Aldemir Martins - Galeria 22


Histórias da Arte para Crianças no MAC USP Ibirapuera


quarta-feira, 29 de junho de 2016

São Pedro





Masaccio (1401-1428) St Peter Healing the Sick with His Shadow, 1425.


Carlo Crivelli (1435-1495) St. Peter, the First Pope, 1470. Montefiore dell' Also, Santa Lucia.




Alonso Berruguete (1488-1561) The Death of St Pedro, 1493-1499. Museu do Prado.


Cima de Conegliano (1459-1517) St Peter Enthroned with Saints, s.d. Pinacoteca de Brera, Milão.

Perugino (1446-1523) Giving of the Keys to St Peter, 1481-1482. Afresco. Capela Sistina, Vaticano.



  1. Albrecht Dürer (1471-1528) St. Peter and St. John at the Gate of the Temple, from The Passion, 1513. Gravura. Metropolitan Museum of Art, Nova York.



Corregio (1514-1534) Saints Peter, Martha, Mary Magdalena and Leonard, s.d.  Metropolitan Museum of Art, Nova York.


El Greco (1541-1614) The Tears of St Peter, 1580-1589. Bowels Museum.


Caravaggio (1571-1610) Crucifixion of St Peter, 1601. Santa Maria del Popolo, Roma.


Ludovico Carraci (1555-1619) Madonna and Child with Saints, 1607. Metropolitan Museum of Art, Nova York.

Annibale Carracci (1560-1609) Saint Peter, 1604-1607. Museo Nacional d'Art de Catalunya.


Caravaggio (1571-1610) The Denial Saint Peter, 1610. Metropolitan Museum of Art, Nova York.



Peter Paul Rubens (1577-1640) Christ Giving the Keys to St Peter, 1612-1614. Gemäldegalerie, Berlim.


Jusepe de Ribera (1591-1652) The Penitent Saint Peter, 1612-1613. Metropolitan Museum of Art, Nova York.


Alessandro Turchi (1578-1649) The Liberation of St Peter, Galleria e Museo Estense, Modena.


Francisco de Zurbaram (1598-1664) Vison of St Peter Nolasco, Appearance of St Peter to St Peter Nolasco.1629. Museu do Prado, Madrid.


Rembrandt (1606-1669) St Peter in Prision. The Apostle Peter Kneeling, 1631. Israel Museum


Bernardo Strozzi (1581-1644) The Release of St Peter, 1635. Art Gallery of New South Wales.


George de La Tour (1593-1652) Saint Peter Repentant, 1645. Cleveland Museum of Art.



Bartolomé Steban Murillo (1617-1682) Saint Peter in Tears, 1660-1665. Bilbao Fine Arts Museum.


Heribert Neus () St. Peter, 1665. Der Kölner Dom.


Pierre-Étienne Monot (1657-1733) St Peter, s.d. Basilica of St. John Latern, Roma.


Salvador Dali (1904-1889) St Pieter and Dante, 1963. Coleção particular.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Gabriel Orozco


Gabriel Orozco (1962-) Nasceu em Vera Cruz, México. Estudou na Escuela Nacional de Artes Plásticas na Cidade do México e complementou seus estudos no Círculo de Belas Artes em Madrid. Utiliza-se de paisagens urbanas e objetos do dia a dia para realizar vídeos, instalações, objetos, fotografias, pinturas e esculturas. Tem reconhecimento mundial. Participou da Bienal de Veneza, do Whitney Museum, Bienal de Cuba, Sharjah Biennial e da Documenta de Kassel. Retrospectiva no MOMA de Los Angeles e de Nova York, Tate Modern, Londres, Museo Reina Sofia, Madrid e no Museu Rufino Tamaio no México. Vive e trabalha na Cidade do México, Paris e Nova York. É representado pela Marian Goodman Gallery.





Wait Chair, 1988.



Yielding Stone, 1992.


Sem título



Spume Fin and Spume Stream, 1992.





Cats and Watermelon, 1992.


Instalação.


Broken Bicycle on a Railing, 2001. Pintura



Still Life.


Ping Pond Table, 2005. Museo Reina Sofia, Madrid.





Mobile Matrix MoMA, Nova York.



Dark Wave, 2006.




Pelvis, 2007.



Fence, 2009.



Echoes Headaches, New York, 2009.



Sem título, 2011. 



Hand Waves, 2011.


Sandstars, 2012. Guggenheim Museum, Berlim.


Roto Shaku 20, 2015.




Unfinished, 2015















Gabriel Orozco/Yve-Alain Bois _ The Mit Press, 2009.

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now