sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Exposição no Museu Nacional de Belas Artes comemora os 200 anos da EBA – Escola de Belas Artes da UFRJ




Será inaugurada dia 11 de novembro, para o público às 18 horas, no Museu Nacional de Belas Artes, a exposição Escola de Belas Artes: 1816-2016. Duzentos anos construindo a arte brasileiraSob a curadoria de Angela Ancora da Luz, a mostra faz um recorte da produção artística da instituição que formou – e ainda forma – centenas de artistas brasileiros desde Vítor Meireles, Antônio Parreiras, Eliseu Visconti, passando por Burle Marx, Goeldi, Cândido Portinari, Franz Weissmann, Anna Maria Maiolino, Roberto Magalhães, Lygia Pape, Celeida Tostes, Roberto Magalhães, Mauricio Salgueiro até Felipe Barbosa, Bruno Miguel, Jarbas Lopes entre muitos outros.

Candido Portinari _ Menino de Brdósqui _ 1951.

Criada por Decreto Real de D. João em 12 de agosto de 1816, a primeira sede da Escola de Belas Artes 
foi na Travessa das Belas Artes, próxima a Praça Tiradentes. O prédio, de Grandjean de Montigny, foi projetado para receber a então Academia Imperial das Belas Artes e foi inaugurado em 5 de novembro de 1826. Em 1908, já com o nome de Escola Nacional de Belas Artes, a instituição transferiu-se para seu segundo prédio, com projeto de Morales de los Rios, na Avenida Rio Branco, onde hoje situa-se o Museu Nacional de Belas Artes. Em 1975 a escola mudou-se definitivamente para o prédio da reitoria UFRJ na Cidade Universitária, Ilha do Fundão, compartilhado, também, com a Faculdade de Arquitetura. 

Segundo a curadora da exposição, Angela Ancora da Luz, que dirigiu a EBA entre 2002 e 2010, “a presença da Escola no contexto da sociedade brasileira revelou sua identidade por aspectos pouco conhecidos, mas de grande interesse social e político, além de seu princípio norteador fundamental: o ensino artístico. Uma escola de grande peso no Império e que esteve aberta a todos os que desejassem buscar o caminho das artes, sendo aceitos pelos grandes mestres dos ateliês. O que contava na hora da seleção era o talento, sem restrição ao grau cultural, à raça ou situação econômica. Cândido Portinari, por exemplo, mal havia completado o terceiro ano do curso “primário” quando foi aceito pela instituição, tornando-se a grande referência da pintura brasileira”.

Lydio Bandeira de Mello_Peixe_1959 - acervo MNBA.


Oswaldo Goeldi _ Luz sobre a praça -c 1930. Acervo MNBA.

“São incontáveis os pintores, escultores, desenhistas, gravuristas, cenógrafos, indumentaristas, designers, restauradores e paisagistas que saíram dos ateliês e salas da escola. O grande desafio que a presente exposição nos trouxe foi o de apresentar apenas alguns destes artistas e suas obras. Mesmo se ocupássemos todas as salas deste museu (...) ainda assim seria impossível apresentar a excelência de tudo que aqui se produziu”, completa a curadora.  

A exposição ocupará dois salões expositivos do MNBA abrangendo a produção dos artistas que passaram pela Escola de Belas Artes, desde sua criação até a presente data. A dificuldade de selecionar as obras desta mostra comemorativa foi muito grande. Pela excelência dos artistas que passaram por seus ateliês – impossível trazer um representante de cada período – a opção da curadoria foi privilegiar os que tiveram a formação da escola. Muitos desses artistas foram alunos do Curso Livre, admitidos pela avaliação dos Mestres. Passaram pela instituição artistas de todas as classes sociais, a escola sempre foi uma unidade que presava pela diversidade. De todos que cursaram a Escola de Belas Artes, mesmo os que não a concluíram, ficou o reconhecimento do papel fundamental que ela representou em suas trajetórias. 



Bruno Miguel _ Gang do Lixo, 2016.



Pedro Varela_Sem título.


O eixo curatorial enfatizou a Escola de Belas Artes como instituição que preserva a preocupação social, política e intelectual das diferenças individuais, o que não impede a formação de um corpo e de uma identidade. A curadoria buscou evidenciar as diferenças e afinidades em desenhos, gravuras, pinturas, esculturas, instalações, vídeos e performances que fizeram da escola um paraíso vocacionado para a arte e a cultura no Rio de Janeiro, potente e famosa caixa de ressonância artística do Brasil.

O projeto conta com patrocínio integral da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a produção/idealização da exposição está a cargo de Anderson Eleotério e Izabel Ferreira – ADUPLA Produção Cultural, que já realizou importantes publicações e exposições itinerantes pelo Brasil, como Farnese de Andrade, Athos Bulcão, Milton Dacosta, Miguel Angel Rios, Raymundo Colares, Carlos Scliar, Debret, Aluísio Carvão, Henri Matisse, Bruno Miguel, Antonio Bandeira, Manoel Santiago, Teresa Serrano, Regina de Paula, Nazareno, entre outros.

Este projeto foi realizado com recursos do Viva a Cultura! - Programa de Fomento à Cultura da Prefeitura do Rio - Viva a Arte! / Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura.


Escola de Belas Artes: 1816-2016
200 anos construindo a arte brasileira

Curadoria: Angela Ancora da Luz

Artistas
Abelardo Zaluar | Adir Botelho | Alfredo Galvão | Almeida Reis | Amés de Paula Machado | Anna Maria Maiolino | Antonio Manuel | Antônio Parreiras Arthur Luiz Pizza | Augusto Müller |Bandeira de Mello |  Barbosa Júnior Batista da Costa | Belmiro de Almeida Bruno Miguel Burle Marx | Cândido Portinari | Carlos Contente | Celeida Tostes | Décio Vilares | Eduardo Lima | Eliseu Visconti | Estêvão da Silva | Felipe Barbosa | Franz Weissmann | Georgina de Albuquerque | Glauco Rodrigues | Grandjean de Montigny | Henrique Cavaleiro | Hugo Houayeck | Isis Braga | Ivald Granato | Jarbas Lopes | Jean-Baptiste Debret | João Quaglia | Jorge Duarte | Kazuo Iha | Lourdes Barreto | Lygia Pape | Manfredo de Souzanetto | Marcos Cardoso | Marcos Varela | Marques Júnior | Mauricio Salgueiro | Maurício Dias & Walter Riedweg | Newton Cavalcanti |Oscar Pereira da Silva | Oswaldo Goeldi | Patrícia Freire | Paulo Houayek | Pedro Américo | Pedro Varela |Quirino Campofiorito | Renina Katz | Ricardo Newton | Roberto Magalhães | Rodolfo Amoedo | Rodolfo Chambelland | Ronald Duarte | Rui de Oliveira | Vítor Meireles | Zeferino da Costa

Abertura: 10 de novembro às 18h
Visitação: 11 de novembro de 2016 a 12 de fevereiro de 2017

Horário de funcionamento:
Terça a sexta: das 10h às 18h.
Sábados, domingos e feriado: das 13h às 18h. 
Ingressos: R$ 8,00 inteira, R$ 4,00 meia e ingresso família (para até 4 membros de uma mesma família) a R$ 8,00.  
Grátis aos domingos.

Museu Nacional de Belas Artes – MNBA
Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel:(21) 3299-0600

Informações para a imprensa:
Raquel Silva – raquelsilva@alternex.com.br
( (21) 2274-7924 | 99965-3433
Assessoria de imprensa do MNBA
Nelson Moreira – imprensa@mnba.gov.br
( (21) 3299-0638

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now