Tributo à filosofia inclusiva da arquiteta italiana radicada no Brasil Lina Bo Bardi exibe vídeos inéditos, objetos da cultura popular, desenhos originais e três exemplares de sua celebrada “Bowl Chair” (1951), além de uma extensa linha do tempo. Entrada gratuita
Sesc - Serviço Social do Comércio - realiza de 12 de outubro a 11 de dezembro de 2016, em São Paulo, a última itinerância da mostra internacional “Lina Bo Bardi: Together”, com curadoria da arquiteta argentina Noemí Blager e projeto expográfico do coletivo britânico Assemble. Focada no trabalho da arquiteta italiana radicada no Brasil, Lina Bo Bardi (1914 - 1992), a mostra passou por cidades como Londres, Viena e Berlim, e faz sua última apresentação no Sesc Pompeia. São exibidos cinco filmes sobre Lina, dirigidos por Tapio Snellman (cineasta e arquiteto), bem como objetos da cultura popular brasileira caros à artista, três exemplares e desenhos originais de sua celebrada “Bowl Chair" (1951), além de uma extensalinha do tempo que revisita sua trajetória no campo social e das artes. "Lina Bo Bardi: Together” é uma realização Sesc em parceria com o British Council, patrocínio da empresa italiana de design Arper e apoio do Instituto Pietro Maria e Lina Bo Bardi.
O diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda, afirma que “ao realizarmos a exposição Lina Bo Bardi Together e encerrarmos sua itinerância no Sesc Pompeia, espaço destacado na carreira da arquiteta, aproximamo-nos da essência fortemente defendida por ela, a de que o livre curso da convivência é um dos aspectos mais relevantes dos seres sociais que somos”. Miranda reitera que “outras criações de Lina, como a Casa de Vidro, o Solar do Unhão e o design de objetos são também abordados na exposição, por meio de interpretações poéticas em diferentes linguagens, que vão oferecer aos visitantes acesso às preocupações presentes nas soluções espaciais que o trabalho de Lina desvela”.
Para Noemí, a voz de Lina como escritora e oradora é de igual importância para seus projetos e edifícios, por isso sua voz pode ser "ouvida" como uma chuva de citações exibidas por mãos de papel (motivo frequentemente esboçado por Lina), desenhada pela artista Madelon Vriesendorp, antes de entrar nas duas seções que encerram as instalações. A primeira olha para o mundo íntimo de Lina, trazendo fotografias de Ioana Marinescu e um vídeo de Tapio sobre a vida que ela criou para si mesma e seu marido Pietro Maria Bardi na Casa de Vidro (1950), no bairro paulistano Morumbi, mostrando os objetos da cultura popular brasileira que Lina colecionava e seu mobiliário eclético.

 Swiss Architecture Museum (Basiléia, Suíça) 2013. Foto Philip Heckhausen
A segunda seção contém a principal instalação que explora a face pública de Lina Bo Bardi. São exibidos objetos produzidos durante os workshops que Madelon organizou com crianças no Solar do Unhão, combinando objetos inspirados na cultura popular brasileira e artefatos confeccionados por artesãos brasileiros encontrados em mercados locais. Os vídeos de Tapio Snellman, por sua vez, procuram captar a vida do Sesc Pompeia, seus detalhes arquitetônicos e sua relação com a cidade de São Paulo.



Tributo à filosofia inclusiva da arquiteta italiana radicada no Brasil Lina Bo Bardi exibe vídeos inéditos, objetos da cultura popular, desenhos originais e três exemplares de sua celebrada “Bowl Chair” (1951), além de uma extensa linha do tempo. Entrada gratuita
Sesc - Serviço Social do Comércio - realiza de 12 de outubro a 11 de dezembro de 2016, em São Paulo, a última itinerância da mostra internacional “Lina Bo Bardi: Together”, com curadoria da arquiteta argentina Noemí Blager e projeto expográfico do coletivo britânico Assemble. Focada no trabalho da arquiteta italiana radicada no Brasil, Lina Bo Bardi (1914 - 1992), a mostra passou por cidades como Londres, Viena e Berlim, e faz sua última apresentação no Sesc Pompeia. São exibidos cinco filmes sobre Lina, dirigidos por Tapio Snellman (cineasta e arquiteto), bem como objetos da cultura popular brasileira caros à artista, três exemplares e desenhos originais de sua celebrada “Bowl Chair" (1951), além de uma extensalinha do tempo que revisita sua trajetória no campo social e das artes. "Lina Bo Bardi: Together” é uma realização Sesc em parceria com o British Council, patrocínio da empresa italiana de design Arper e apoio do Instituto Pietro Maria e Lina Bo Bardi.
O diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda, afirma que “ao realizarmos a exposição Lina Bo Bardi Together e encerrarmos sua itinerância no Sesc Pompeia, espaço destacado na carreira da arquiteta, aproximamo-nos da essência fortemente defendida por ela, a de que o livre curso da convivência é um dos aspectos mais relevantes dos seres sociais que somos”. Miranda reitera que “outras criações de Lina, como a Casa de Vidro, o Solar do Unhão e o design de objetos são também abordados na exposição, por meio de interpretações poéticas em diferentes linguagens, que vão oferecer aos visitantes acesso às preocupações presentes nas soluções espaciais que o trabalho de Lina desvela”.
Para Noemí, a voz de Lina como escritora e oradora é de igual importância para seus projetos e edifícios, por isso sua voz pode ser "ouvida" como uma chuva de citações exibidas por mãos de papel (motivo frequentemente esboçado por Lina), desenhada pela artista Madelon Vriesendorp, antes de entrar nas duas seções que encerram as instalações. A primeira olha para o mundo íntimo de Lina, trazendo fotografias de Ioana Marinescu e um vídeo de Tapio sobre a vida que ela criou para si mesma e seu marido Pietro Maria Bardi na Casa de Vidro (1950), no bairro paulistano Morumbi, mostrando os objetos da cultura popular brasileira que Lina colecionava e seu mobiliário eclético.

British Council (Londres) 2012. Foto Ioana Marinescu 
A segunda seção contém a principal instalação que explora a face pública de Lina Bo Bardi. São exibidos objetos produzidos durante os workshops que Madelon organizou com crianças no Solar do Unhão, combinando objetos inspirados na cultura popular brasileira e artefatos confeccionados por artesãos brasileiros encontrados em mercados locais. Os vídeos de Tapio Snellman, por sua vez, procuram captar a vida do Sesc Pompeia, seus detalhes arquitetônicos e sua relação com a cidade de São Paulo.



Tributo à filosofia inclusiva da arquiteta italiana radicada no Brasil Lina Bo Bardi exibe vídeos inéditos, objetos da cultura popular, desenhos originais e três exemplares de sua celebrada “Bowl Chair” (1951), além de uma extensa linha do tempo. Entrada gratuita
Sesc - Serviço Social do Comércio - realiza de 12 de outubro a 11 de dezembro de 2016, em São Paulo, a última itinerância da mostra internacional “Lina Bo Bardi: Together”, com curadoria da arquiteta argentina Noemí Blager e projeto expográfico do coletivo britânico Assemble. Focada no trabalho da arquiteta italiana radicada no Brasil, Lina Bo Bardi (1914 - 1992), a mostra passou por cidades como Londres, Viena e Berlim, e faz sua última apresentação no Sesc Pompeia. São exibidos cinco filmes sobre Lina, dirigidos por Tapio Snellman (cineasta e arquiteto), bem como objetos da cultura popular brasileira caros à artista, três exemplares e desenhos originais de sua celebrada “Bowl Chair" (1951), além de uma extensalinha do tempo que revisita sua trajetória no campo social e das artes. "Lina Bo Bardi: Together” é uma realização Sesc em parceria com o British Council, patrocínio da empresa italiana de design Arper e apoio do Instituto Pietro Maria e Lina Bo Bardi.
O diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda, afirma que “ao realizarmos a exposição Lina Bo Bardi Together e encerrarmos sua itinerância no Sesc Pompeia, espaço destacado na carreira da arquiteta, aproximamo-nos da essência fortemente defendida por ela, a de que o livre curso da convivência é um dos aspectos mais relevantes dos seres sociais que somos”. Miranda reitera que “outras criações de Lina, como a Casa de Vidro, o Solar do Unhão e o design de objetos são também abordados na exposição, por meio de interpretações poéticas em diferentes linguagens, que vão oferecer aos visitantes acesso às preocupações presentes nas soluções espaciais que o trabalho de Lina desvela”.
Para Noemí, a voz de Lina como escritora e oradora é de igual importância para seus projetos e edifícios, por isso sua voz pode ser "ouvida" como uma chuva de citações exibidas por mãos de papel (motivo frequentemente esboçado por Lina), desenhada pela artista Madelon Vriesendorp, antes de entrar nas duas seções que encerram as instalações. A primeira olha para o mundo íntimo de Lina, trazendo fotografias de Ioana Marinescu e um vídeo de Tapio sobre a vida que ela criou para si mesma e seu marido Pietro Maria Bardi na Casa de Vidro (1950), no bairro paulistano Morumbi, mostrando os objetos da cultura popular brasileira que Lina colecionava e seu mobiliário eclético.

 British Council (Londres) 2012. Foto Ioana Marinescu
A segunda sessão  contém a principal instalação que explora a face pública de Lina Bo Bardi. São exibidos objetos produzidos durante os workshops que Madelon organizou com crianças no Solar do Unhão, combinando objetos inspirados na cultura popular brasileira e artefatos confeccionados por artesãos brasileiros encontrados em mercados locais. Os vídeos de Tapio Snellman, por sua vez, procuram captar a vida do Sesc Pompeia, seus detalhes arquitetônicos e sua relação com a cidade de São Paulo.

Swedish Center for Architecture (Estocolmo) 2014. Foto Matti Östling
Três poltronas “Bowl Chair”, projetadas por Bo Bardi em 1951 e agora fabricadas em edição limitada pela indústria de design italianaArper, são exibidas em torno de mesas projetadas pelo coletivoAssemble. Claudio Feltrin, presidente e CEO da Arper diz: “A busca pelo essencial e o funcional, a capacidade de inovar e colocar as pessoas no centro de cada projeto: foi isso que nos atraiu na Lina, quando vimos pela primeira vez seu trabalho, e nosso interesse nos levou ao Instituto Lina Bo e P.M. Bardi no Brasil. Identificados com o espírito do seu design e seu amor pelas formas essenciais, decidimos apoiar "Lina Bo Bardi: Together”, tanto em termos de patrocínio financeiro quanto em um nível mais criativo. Ficamos fascinados pela ideia de desenvolver um projeto que nunca foi produzido industrialmente – a “Bowl Chair”. Nosso objetivo era refazer fielmente a concepção de design, utilizando novas tecnologias para melhorar a estrutura interna.“ 
A exposição também inclui um filme sobre o “Lina Bo Bardi Fellowship”, programa  que, desde 2013, teve quatro edições realizadaspelo British Council, o Sesc São Paulo e o Instituto Lina Bo e P.M. Bardi com o objetivo de proporcionar a arquitetos, designers e outros profissionais baseados no Reino Unido a oportunidade de viajar ao Brasil para explorar o trabalho e legado de Lina. Uma extensa cronologia escrita por Renato Anelli, arquiteto e diretor do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, finaliza a exposição.
“Acima de tudo, Lina Bo Bardi respeitava as pessoas, sua energia, expressão e liberdade coletiva. Procurou romper as hierarquias e divisões, criando edifícios que refletem a textura e a diversidade de seu país por adoção, o Brasil. Ao longo de sua produção, que abarcou a arquitetura, design de mobiliário, curadoria, escrita, ilustração e cenários, ela mostrou sua visão de mundo e sua integridade, dando vida a seu ideário social e criativo. Para Lina, um brinquedo artesanal poderia ficar ao lado de uma tela De Chirico ou um móbile de Calder, e inspirar uma nova conversa”, declara Noemí.

British Council (Londres) 2012. Foto Ioana Marinescu
Três poltronas “Bowl Chair”, projetadas por Bo Bardi em 1951 e agora fabricadas em edição limitada pela indústria de design italianaArper, são exibidas em torno de mesas projetadas pelo coletivoAssemble. Claudio Feltrin, presidente e CEO da Arper diz: “A busca pelo essencial e o funcional, a capacidade de inovar e colocar as pessoas no centro de cada projeto: foi isso que nos atraiu na Lina, quando vimos pela primeira vez seu trabalho, e nosso interesse nos levou ao Instituto Lina Bo e P.M. Bardi no Brasil. Identificados com o espírito do seu design e seu amor pelas formas essenciais, decidimos apoiar "Lina Bo Bardi: Together”, tanto em termos de patrocínio financeiro quanto em um nível mais criativo. Ficamos fascinados pela ideia de desenvolver um projeto que nunca foi produzido industrialmente – a “Bowl Chair”. Nosso objetivo era refazer fielmente a concepção de design, utilizando novas tecnologias para melhorar a estrutura interna.“ 
A exposição também inclui um filme sobre o “Lina Bo Bardi Fellowship”, programa  que, desde 2013, teve quatro edições realizadaspelo British Council, o Sesc São Paulo e o Instituto Lina Bo e P.M. Bardi com o objetivo de proporcionar a arquitetos, designers e outros profissionais baseados no Reino Unido a oportunidade de viajar ao Brasil para explorar o trabalho e legado de Lina. Uma extensa cronologia escrita por Renato Anelli, arquiteto e diretor do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, finaliza a exposição.
“Acima de tudo, Lina Bo Bardi respeitava as pessoas, sua energia, expressão e liberdade coletiva. Procurou romper as hierarquias e divisões, criando edifícios que refletem a textura e a diversidade de seu país por adoção, o Brasil. Ao longo de sua produção, que abarcou a arquitetura, design de mobiliário, curadoria, escrita, ilustração e cenários, ela mostrou sua visão de mundo e sua integridade, dando vida a seu ideário social e criativo. Para Lina, um brinquedo artesanal poderia ficar ao lado de uma tela De Chirico ou um móbile de Calder, e inspirar uma nova conversa”, declara Noemí.

British Council (Londres) 2012. Foto Ioana Marinescu
Três poltronas “Bowl Chair”, projetadas por Bo Bardi em 1951 e agora fabricadas em edição limitada pela indústria de design italianaArper, são exibidas em torno de mesas projetadas pelo coletivoAssemble. Claudio Feltrin, presidente e CEO da Arper diz: “A busca pelo essencial e o funcional, a capacidade de inovar e colocar as pessoas no centro de cada projeto: foi isso que nos atraiu na Lina, quando vimos pela primeira vez seu trabalho, e nosso interesse nos levou ao Instituto Lina Bo e P.M. Bardi no Brasil. Identificados com o espírito do seu design e seu amor pelas formas essenciais, decidimos apoiar "Lina Bo Bardi: Together”, tanto em termos de patrocínio financeiro quanto em um nível mais criativo. Ficamos fascinados pela ideia de desenvolver um projeto que nunca foi produzido industrialmente – a “Bowl Chair”. Nosso objetivo era refazer fielmente a concepção de design, utilizando novas tecnologias para melhorar a estrutura interna.“ 
A exposição também inclui um filme sobre o “Lina Bo Bardi Fellowship”, programa  que, desde 2013, teve quatro edições realizadaspelo British Council, o Sesc São Paulo e o Instituto Lina Bo e P.M. Bardi com o objetivo de proporcionar a arquitetos, designers e outros profissionais baseados no Reino Unido a oportunidade de viajar ao Brasil para explorar o trabalho e legado de Lina. Uma extensa cronologia escrita por Renato Anelli, arquiteto e diretor do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, finaliza a exposição.
“Acima de tudo, Lina Bo Bardi respeitava as pessoas, sua energia, expressão e liberdade coletiva. Procurou romper as hierarquias e divisões, criando edifícios que refletem a textura e a diversidade de seu país por adoção, o Brasil. Ao longo de sua produção, que abarcou a arquitetura, design de mobiliário, curadoria, escrita, ilustração e cenários, ela mostrou sua visão de mundo e sua integridade, dando vida a seu ideário social e criativo. Para Lina, um brinquedo artesanal poderia ficar ao lado de uma tela De Chirico ou um móbile de Calder, e inspirar uma nova conversa”, declara Noemí.
Swedish Center for Architecture (Estocolmo) 2014. Foto Matti Östling

"Lina Bo Bardi: Together" foi exibida pela primeira vez no British Council de Londres em setembro de 2012, marcando o início do programa “Transform” de intercâmbio artístico e cultural com duração de quatro anos entre o Reino Unido e o Brasil. Até então pouco difundido internacionalmente, o legado de Lina Bo Bardi, após passagem em diversos países, vem ganhando as páginas de publicações internacionais especializadas, atestando a importância e a atualidade de sua produção.


Nascida em Roma em 1914, uma entusiasta da arquitetura modernista, Lina mudou-se para São Paulo em 1946, imergindo-se na política e cultura do Brasil. A guinada de sua carreira, segundo Noemí, veio no período entre 1958 e 1964, em Salvador, quando descobriu as raízes da cultura popular do Brasil para, posteriormente, integrá-la aos valores do movimento moderno. Autora do projeto do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateubriand – MASP (1968), anos depois foi contratada para projetar o Sesc Pompeia e o Teatro Oficina, ambos inaugurados em 1982. Ela organizou espacialmente os conceitos sem hierarquias trabalhados pelo Sesc: natação foi considerada tão importante quanto aprender a tecer, assistir a um concerto de jazz, ou jogar xadrez.
Noemí Blager é arquiteta e curadora. Natural de Buenos Aires e radicada em Londres, é ex-diretora interina da Architect Foundation de Londres e membro da comissão curatorial Design Museum. Blager também é conselheira da Lina Bo Bardi Fellowship, projeto iniciado pelo British Council para criar conexões de longo prazo entre artistas brasileiros e britânicos, designers e arquitetos. Em 2003, trabalhou em colaboração com o Office for Metropolitan Architecture (OMA) na realização da exposição “Conteúdo”, apresentada na Alemanha e Holanda. É também consultora de Cultura e Desenvolvimento da empresa italiana de design Arper, responsável pela reedição da “Bowl Chair”, crítica regular no The CASS, London Metropolitan University e da Associação de Arquitetura, Londres. Deu palestras no Institut für Kunst und Architektur (Viena), Kingston College (Londres), e ESADE (Barcelona). Escreveu para publicações como o Financial Times e organizou eventos e seminários no ICA e Southbank Centre.
Madelon Vriesendorp, é co-fundadora do OMA ao lado de Rem Koolhaas e Elia e Zoe Zenghelis. Suas pinturas ilustram livros e capas de revista, com destaque para “Delirious New York” (1978), por Rem Koolhaas. Expôs na Serpentine Gallery (Londres), Museu Guggenheim e galerias Max Protetch (Nova Iorque), Centre Georges Pompidou (Paris), Stedelijk Museum (Amsterdã), e na Bienal de Arquitetura de Veneza de 2008. Desde meados da década de 1980 ela ensina Arte e Design na Architectural Association (Londres), e na Escola de Arte de Edimburgo.
Tapio Snellman é cineasta, artista e arquiteto. Seu trabalho inclui instalações de filmes, animação experimental em 3D e projeções site specific para museus, teatro e dança. Desenvolve projetos com escritórios de arquitetura como Herzog & de Meuron, Zaha Hadid, OMA, David Adjaye e Sasha Waltz para filmes, animação e performance. Formado em Arquitetura e Urbanismo em Stuttgart e Londres, atualmente é professor na Universidade de Innsbruck, na Áustria. Seus filmes e instalações foram exibidos no Victoria and Albert Museum, Tate Modern, Design Museum e The Hayward Gallery (Londres), Museu Guggenheim, Museu Kiasma de Arte Contemporânea (Helsinqui), e em várias edições da Bienal de Arquitetura de Veneza.
Ioana Marinescu é artista e reside em Londres. Estudou arquitetura na Romênia e Reino Unido antes de se dedicar à fotografia. Sua produção já foi exibida na Architectural Association e RIBA (Londres), Cité du Patrimoine et de l’archtecture de Paris, Kunsthalle Exnergasse (Viena), e no Canadian Centre for Architecture (Montreal). Em seu doutorado pela Slade School of Fine Art, voltou-se para a relação entre as cidades e a memória. Atualmente é professora de arquitetura na Universidade de Kingston e realiza workshops regulares, além de palestras sobre fotografia e arquitetura.
Assemble é um coletivo de arquitetura de 15 participantes criado em 2009 em Londres, cujo trabalho interdisciplinar envolve a relação entre as pessoas e o ambiente construído. A abordagem colaborativa de seus projetos normalmente tem outros desdobramentos, já que o grupo promove atividades sociais para a produção de sua infra-estrutura, estimulando autoria e criatividade entre  seus colaboradores, bem ao gosto de Lina. Foi agraciado com o Prêmio Turner de 2015, que pela primeira vez foi entregue a um coletivo de arquitetura.
Instituto Lina Bo e P.M. Bardi foi criado em 1990 e funciona na celebrada Casa de Vidro, projetada por Lina Bo Bardi em 1950 no bairro paulistano do Morumbi. Conserva os arquivos de Lina e Pietro Maria Bardi e tem como objetivo a promoção de estudo e pesquisa, sobretudo nas áreas de arquitetura, design, urbanismo e arte popular brasileira. Seu atual diretor, Renato Anelli, é professor da Universidade Federal de São Carlos e também o autor da Linha do Tempo presente na mostra.
Arper é uma empresa de design de mobiliário sediada em Treviso, Itália, e é o principal patrocinador de "Lina Bo Bardi: Together”. A Companhia apoia o projeto desde 2012, em colaboração com a curadora Noemí Blager as 11 itinerâncias da mostra pela Europa e nos EUA (Londres, Viena, Basiléia, Paris, Estocolmo, Amsterdã, Berlim, Milão, Treviso, Chicago e Miami). A Arper produziu uma edição limitada e numerada de 500 poltronas “Bowl Chair”. Os recursos obtidos com a sua venda financiam a turnê mundial da exposição “Lina Bo Bardi: Together”, enquanto parte dos lucros serão reinvestidos em programas sociais e culturais do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, assim como Lina teria desejado.
British Council é a organização internacional do Reino Unido para a promoção de relações culturais e oportunidades educacionais. Seu trabalho visa o compartilhamento de experiências e a criação de laços de confiança a partir do conhecimento e troca de ideias entre as pessoas ao redor do mundo. Está presente em mais de 100 países e trabalha com parceiros como governos, ONG’s e o setor privado em ações relacionadas à difusão do idioma inglês, cultura, artes, educação e programas sociais.
O Sesc - Serviço Social do Comércio - é fruto de um sólido projeto cultural e educativo que trouxe, desde sua criação pelo empresariado do comércio e serviços em 1946, a marca da inovação e da transformação social. Assim, o Sesc desenvolve uma ação de educação não formal e permanente com intuito de valorizar as pessoas ao estimular a autonomia pessoal, a interação e o contato com expressões e modos diversos de pensar, agir e sentir.

Imagens deste press release (de cima para baixo):
1 - Swiss Architecture Museum (Basiléia, Suíça) 2013. Foto Philip Heckhausen
2 - British Council (Londres) 2012. Foto Ioana Marinescu
3 e 4 - Swedish Center for Architecture (Estocolmo) 2014. Foto Matti Östling

Serviço:
Exposição: “Lina Bo Bardi: Together”
Abertura: 11 de outubro, terça-feira, às 20 horas
Período expositivo: de 12 de outubro a 11 de dezembro de 2016
Horários: Terça a sábado, das 10h às 21h; Domingos e feriados, das 10h às 19h
Livre | Grátis
SESC Pompeia – Rua Clélia, 93. São Paulo, SP
Telefone: (11) 3871 7700
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia
Informações para a imprensa:
Décio Hernandez Di Giorgi
Adelante Comunicação Cultural
decio.di.giorgi@gmail.com
(11) 3589 6212 / 9 8255 3338
Assessoria de Imprensa Sesc Pompeia:
Fernanda Porta Nova
imprensa@pompeia.sescsp.org.br
(11) 3871 7720
Juliana Gontad
julianag@pompeia.sescsp.org.br
(11) 38717740