sábado, 11 de junho de 2016

Casa Alta – percursos”, curadoria de Isabel Sanson Portella - Hostel Contemporâneo com Cristiane Friggo, Macé Marinho, Maia Bueloni, Makh Hanamakh, Nidia Albesa Rabi, Odette Boudet, Rosana Diuana, Ricardo Larangeira e Stella Margarita



Segue convite virtual, release e imagens para divulgação da exposição de arte “Casa Alta - percursos", no Hostel Contemporâneo (abertura 18/junho/2016). Curadora Isabel Portella. Artistas Cristiane Friggo, Macé Marinho, Maia Bueloni, Makh Hanamakh, Nidia Albesa Rabi, Odette Boudet, Rosana Diuana, Ricardo Larangeira e Stella Margarita. Na abertura, show em homenagem à cantora Maria Bethânia em seu aniversário de 70 anos.

As imagens em alta resolução estão no link:




PINTURAS DE NOVE ARTISTAS NO HOSTEL CONTEMPORÂNEO
NA ABERTURA, SHOW COM MÚSICA AO VIVO EM HOMENAGEM
AO ANIVERSÁRIO DE 70 ANOS DA CANTORA MARIA BETHANIA

A exposição “Casa Alta – percursos”, com curadoria da museóloga e crítica de arte Isabel Sanson Portella, apresenta no Hostel Contemporâneo, em Botafogo, pinturas de nove artistas atuantes no cenário carioca: Cristiane Friggo, Macé Marinho, Maia Bueloni, Makh Hanamakh, Nidia Albesa Rabi, Odette Boudet, Rosana Diuana, Ricardo Larangeira e Stella Margarita. Na abertura, show em homenagem à cantora Maria Bethânia em seu aniversário de 70 anos.

A exposição “Casa Alta - percursos”, que tem inauguração no dia 18 de junho de 2016, sábado, a partir das 19h, no Hostel Contemporâneo, na Rua Bambina, 158, em Botafogo. O vernissage acontece na data em que a cantora Maria Bethânia completa 70 anos. Em sua homenagem o Hostel receberá um show ao vivo, com os grandes clássicos da cantora. O show ficará por conta dos músicos: Carlos Cruz, acompanhado pelo flautista Wags Ceulin e o percussionista Jovi Joviano. Entrada franca.
Os artistas Cristiane Friggo, Macé Marinho, Maia Bueloni, Makh Hanamakh, Nidia Albesa Rabi, Odette Boudet, Rosana Diuana, Ricardo Larangeira e Stella Margarita desenvolvem seus trabalhos de pintura nas amplas instalações do Ateliê Casa Alta, em Botafogo, antiga residência da família de Jaime e Nidia Rabi, projetada e construída pela arquiteta Nidia Albesa Rabi no fim da década de 1970. Seu projeto incorporou elementos de destaque na arquitetura brasileira da época, adequando os espaços às condições do terreno, contemplando as belas vistas do lugar, a ventilação natural e a expressão própria dos materiais: madeira, pedra e concreto aparente. A preocupação com o meio ambiente se manifestou, à época, em aspectos inovadores do projeto, como o aproveitamento da energia solar e a coleta de água pluvial.
CRISTIANE FRIGGO
Natural de Porto Alegre-RS, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Com formação em Comunicação Social, desde 2007 frequenta aulas de pintura e desenho na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, além dos cursos teóricos de Arte Contemporânea.  Seu trabalho parte da ideia de que vivemos a contemporaneidade imersos em imagens, vídeos, o mundo da web e outras medias, que alteram nossa percepção da realidade, condicionando o nosso entendimento do mundo. Desta forma, a artista não pinta “coisas”, mas a “imagem das coisas”, o mundo imaginado a partir de registros, as coisas que passaram pelo filtro das lentes, dos meios tecnológicos, das mídias.
MACÉ MARINHO
Nasceu em São Paulo, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Participou de várias oficinas e cursos livres relacionados às artes visuais, pintura e arte contemporânea, os mais recentes na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Seu trabalho atual em pintura parte de referências fotográficas, principalmente de fotos antigas capturadas na internet ou colhidas nos acervos familiares, e nelas a artista empreende sua busca constante de situações inesperadas, pouco usuais, que possam provocar um estranhamento, um sentimento de desconforto, de desalinho, em narrativas que se propõem a misturar elementos reais com outros apenas inventados e onde pessoas fotografadas se convertem em “personagens”, inteiramente livres na sua fugaz existência.
MAIA BUELONI
Formada em Artes Visuais pela PUC-Campinas, com cursos de Desenho, Pintura e Escultura na Unicamp e Especialização em Arte-Educação pela ECA–USP. Desde 2009 vive e trabalha no Rio de Janeiro, onde frequenta a Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Seu trabalho atual é construído com uma palheta reduzida de cores, às vezes contrastantes, às vezes monocromático. São pinturas em acrílico e óleo sobre tela com imagens de vestimentas, objetos e ambientes que remetem ao vazio, ao silêncio, à solidão, mas também a acolhimento e afeto. As imagens trazem sempre a forte presença de um ser ausente; e a dualidade de sentimentos e ideias que essas imagens revelam é uma constante nos trabalhos.
MAKH HANAMAKH
Nasceu em Tóquio, Japão, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Graduada pela faculdade de gravura pela Joshibi University of Artand Design em Tóquio, participou, a partir de 2006, de diversos cursos na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2015 fez uma exposição individual, "N’água", com curadoria de Isabel Portella, no Hostel Contemporâneo. As pinturas aqui apresentadas fazem parte de série recente de trabalhos onde a artista se utilizou da figuração e sua narrativa, trabalhando a partir de fotos nas quais se interessa por captar momentos de luz e de cor que sejam fugazes, voláteis, imprecisos. A artista se  utiliza de imagens aquáticas e suas deformações óticas, onde esta dinâmica e momentaneidade são potencializadas através da luz e da cor, e da diluição da figura, que às vezes tende à abstração.
NIDIA ALBESA RABI
Nidia Albesa Rabi nasceu em Mendoza, Argentina. Formada em arquitetura, fez pós-graduação em planejamento urbano na Washington University. Exerceu sua profissão de Arquiteta Urbanista no Rio de Janeiro, onde mora desde 1973. A partir de 2009 dedica-se às artes visuais participando de cursos na EAV do Parque Lage. Sua pintura atual traz uma releitura dos afrescos barrocos especialmente do século XVIII, inserindo referências à arquitetura de tetos de igrejas e palácios na margem das telas e na sugestão de espaços ilimitados, entre nuvens e pontos de fuga variados, justapondo a teatralidade religiosa dos artistas barrocos a imagens avulsas do Carnaval do Brasil, com profanas alegorias de cavalos, de anjos, guerreiros, gestos e fantasias.
ODETTE BOUDET
Com formação teórica em cinema pela UFF, retoma seu olhar para as artes plásticas a partir de 2011, participando de diversos cursos na EAV Parque Lage. A formação em cinema influenciou seu trabalho em pintura, com o olhar sobre ângulos, diferentes pontos de vista e espaços em planos próximos, unidos a elementos da arquitetura das cidades de hoje, que se tornaram ponto de partida para a construção da imagem pintada. Na série “Cávea”, a artista foi buscar no Cais do Valongo, no porto do Rio de Janeiro, um elemento a mais nas perspectivas – a  história do período escravagista compartilhada com o anfiteatro contemporâneo e seus requintes, em pinturas onde a simplicidade da monocromia e das linhas oculta significados latentes que cabe ao espectador descobrir.
ROSANA DIUANA
Rosana Diuana nasceu na cidade do Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Participa de cursos na Escola de Artes Visuais do Parque Lage desde 2012. Em suas pinturas recentes, a artista traz uma proposta em que o ponto nodal é a relação do indivíduo consigo próprio; sem se preocupar com a identificação de personagens ou de outros estereótipos, o foco de seu trabalho é o momento intimo do indivíduo, a sua sensação, o seu prazer. Neste contexto, valendo-se da figura da mulher como centro de seu próprio universo e tratando de temas controversos de forma original, apresenta cenas de intimidade, exibicionismo e volúpia, em que o outro é mero espectador de seus sentimentos.
RICARDO LARANGEIRA
Artista visual e arquiteto, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Na Escola de  Artes Visuais do Parque Lage participa de diversos ateliês e grupos de estudo. Participou das exposições "Novíssimos" ( IBEU, RJ ), Bienal do Recôncavo  (São Félix, BA), Atroem (IAB , RJ), Salão de Mogi das Cruzes (SP). Em seu trabalho demonstra o interesse em expor o irreal ou o estranho como algo cotidiano e comum, e vice-versa . Existem preocupações quanto a uma visão estética da vida que não excluem a experiência do real. Em geral seus trabalhos são elaborados em técnica mista sobre lona, com sobreposições de camadas e apagamentos.
STELLA MARGARITA
Para o artista Luiz Ernesto, professor da artista na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, “os trabalhos de Stella Margarita, em um primeiro momento, nos apresentam cenas corriqueiras do cotidiano, como as milhares de imagens que nos acostumamos a ver e produzir, pretensamente como recordações de momentos efêmeros. No entanto, e aí se revela a potência da pintura, esta familiaridade inicial aos poucos se desfaz. Em um processo sucessivo de aplicação de camadas de tinta, a artista apaga seletivamente os indícios que nos facilitariam o reconhecimento pleno do que de fato estamos vendo. Não sabemos o que fazem seus personagens e temos poucas indicações de onde estão. São imagens construídas por pinceladas agitadas e fortes contrastes de luz e sombra que transfiguram a trivialidade de suas figuras e ambientes, nos desafiando a penetrar em um mundo silencioso e enigmático".

ISABEL SANSON PORTELLA é museóloga e crítica de arte, doutora e mestre em história e crítica da arte pela Escola de Belas-Artes/UFRJ, especialista em história da arte e arquitetura do Brasil pela PUC-Rio, pesquisadora de acervo e coordenadora da Galeria do Lago Arte Contemporânea do Museu da República-Rio. Crítica e curadora independente desde 2005, com textos e entrevistas em várias publicações (catálogos, periódicos e livros).

A abertura da exposição será no sábado, dia 18 de junho, das 19h às 22h), no Hostel Contemporâneo, Rua Bambina, 158, em Botafogo, onde acontecerá também o show em homenagem aos 70 anos da cantora Maria Bethânia. A entrada é grátis.


Cristiane Frigo.  Carpas.


Nídia Albesa.  Sem título.


Odette Boudet. Cávea.


Ricardo Larangeira. Sem título.


Rosana Diuana. Montagem de Série de pinturas sobre papel.

Stella Margarita. Sem título.


Ateliê Casa Alta.


SERVIÇO
Casa Alta - percursos
Hostel Contemporâneo
Rua Bambina, 158, Botafogo, Rio de Janeiro
Abertura: 18 de junho de 2016, 19h às 22h
Em cartaz de 19 de junho a 31 de agosto de 2016
Horário de funcionamento: segunda a domingo das 10:00 às 19:00h
Entrada gratuita
Recomendada para todas as idades

INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA
Jozias Benedicto (produtor) - Cel (21)98101-4171   e-mail: jozias.benedicto @gmail.com
Isabel Portella (curadora) - Cel (21)99197-3630  e-mail: isabel.portella@gmail.com
Hostel Contemporâneo – Tel (21)3495-1014    http://www.contemporaneohostel.com.br/

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now