sexta-feira, 29 de abril de 2016

Pensão Artística Dani Soter, Daniela Dacorso, Fábio Carvalho e Hebert Sobral Curador: Marco Antonio Teobaldo.


PENSÃO ARTÍSTICA
Inauguração do projeto

Dani Soter, Daniela Dacorso, Fábio Carvalho e Heberth Sobral foram convidados a ocuparem a Pensão Artística, projeto idealizado por Dani Soter e Marco Antonio Teobaldo, que também assina a curadoria.
De 5 a 9 de maio de 2016 – das 11h às 19h

Entrada franca

Pensão Artística é um projeto de convivência compartilhada de curto período na Região Portuária do Rio de Janeiro, onde serão realizadas atividades de produção e exibição de obras de arte em um pequeno hotel, numa zona bem degradada, localizado na Rua Camerino, nº 15 (em frente à Praça dos Estivadores). Dani Soter, Daniela Dacorso, Fábio Carvalho e Heberth Sobral foram convidados pelo curador Marco Antonio Teobaldo para a ocupação deste local durante o período de 5 dias, cujos quartos servirão de residência artística para criação e espaço à visitação pública em horários pré-estabelecidos.

Pensão Artística pretende explorar todas as direções que estão tomando as manifestações artísticas nos espaços urbanos públicos e privados, sobretudo aqueles que carecem de uma ocupação ordenada e planejada. Transformações que ao largo do tempo vêm causando mudanças profundas nas dinâmicas de trabalho e produção. Assim, as redes colaborativas, o intercâmbio de ideias e de ferramentas são agora, elementos essenciais na criação. A revolução radical que causaram as novas tecnologias e a internet permite esse tipo de conexão, mas continua sendo importante a disponibilidade de um espaço físico para a criação e o encontro de artistas e suas propostas.
"É um grande estímulo para todos nós trabalharmos dentro de um espaço inusitado, situado em uma área que vem sendo revitalizada, mas que ainda não tem dado visibilidade para os seus moradores e trabalhadores que circulam por ali. Neste sentido, o projeto Pensão Artística dará uma especial atenção a estes indivíduos: de um lado, com a sua participação e interação direta com os artistas; e de outro, com o resultado de uma produção crítica e estética sobre este momento tão especial que vivemos, a partir desta vivência”, informa Marco Antonio Teobaldo.


Quem são os artistas:

Dani Soter – Colcha de retalhos



Colcha de retalhos para uma cama de pensão - a proposta da artista é encontrar pessoas de passagem, desconhecidos ou não, dentro do quarto da pensão, em sua cama. Apenas uma pessoa será atendida de cada vez, com hora marcada ou furtivamente, en passant.  Enquanto conversam (Dani Soter irá ouvir mais do que falar) tecem juntos uma colcha de retalhos de roupas usadas, cosidas por uma linha vermelha. O encontro não tem hora para terminar e acaba quando sentem, juntos, que já não há mais nada para ser dito. Em seguida, reúnem as partes trabalhadas, construindo assim uma narrativa coletiva, onde a voz é a linha e o segredo é o ponto. Mais do que desejar obter um objeto estético, busca-se o resultado da experiência realizada a dois. O espectador torna-se atuante e a obra depende de sua participação. Em Colcha de retalhos para uma cama de pensão, é também explorada a questão da intimidade de ambos, sobretudo a do outro, daquele que entra no quarto e senta-se na cama da artista. Curioso de entender o que está se passando ali dentro e desejoso de atravessar fronteiras do espaço privado, o espectador-artista revela seus pensamentos e lembranças ao artista-ouvinte. Este trabalho/performance teve início em Lisboa e segue agora no Brasil. A colcha - narrativa vai crescendo à medida que o público vai participando e contando sua história.  


Daniela Dacorso – Descontroladas


A artista irá montar um verdadeiro Estúdio fotográfico no seu quarto de hotel, local da residência artística, onde trabalhará uma abordagem receptiva aos visitantes para colher algumas informações sobre o seu perfil (o que faz, onde vive, o que o trouxe até ali, suas dificuldades e seus sonhos, entre outras questões). A partir destas informações, os visitantes serão retratados, dando continuidade à pesquisa da artista sobre tipos comuns da cidade do Rio de Janeiro. O resultado final desta ação será a exposição de retratos que terão um forte apelo a ancestralidade local, conhecida no passado como Pequena África,  de modo a reafirmar a identidade de cada pessoa fotografada, constituindo uma espécie de mapeamento humano daquele momento do projeto.


Fábio Carvalho – Aposto



A intervenção urbana Ocupação Olympia idealizada especialmente para o projeto Pensão Artística, consiste na criação de uma série de obras em papel, que remetem à azulejaria portuguesa, com desenhos alusivos a atletas (em particular para as práticas esportivas mais antigas e tradicionais), que serão aplicadas com cola de amido sobre paredes e fachadas da Gamboa. Ao estilo lambe-lambe, a obra assumirá as vezes de azulejos de papel, tendo como referência os azulejos de figura avulsa portugueses, uma vez que a região da Gamboa tem um rico histórico de ocupação portuguesa, sendo a região ainda pontuada por uma série de imóveis antigos cujas fachadas ainda encontram-se azulejadas como no final do século XIX e início do XX. As imagens de esportistas serão misturadas com imagens mais tradicionais das figuras avulsas portuguesas, em particular imagens florais. Para as fachadas das casas, o artista fará abordagem direta aos moradores e realizará a intervenção apenas nos espaços onde estejam faltando os azulejos originais, a exemplo do que fez recentemente em Lisboa. A colagem dos azulejos de papel será feita com a participação do próprio público do evento, que ficará responsável pela criação coletiva da composição final da intervenção urbana, uma atitude inspirada diretamente de Athos Bulcão. Em muitos dos seus painéis de azulejos, Athos Bulcão deixou por conta dos operários a decisão de como os azulejos deveriam ser aplicados, abrindo mão da autoria da composição final dos painéis, como por exemplo em um dos painéis do Museu do Samba na da Praça da Apoteose, Sambódromo, Rio de Janeiro (1983).


Heberth Sobral – Lei Seca





Paisagens urbanas - o artista visual propõe para a residência artística a construção de maquetes com cenários sobre a realidade da Região Portuária e o significativo momento de transformação que vem passando, por conta de sua revitalização para os Jogos Olímpicos. Utilizando um repertório customizado no qual os personagens são bonecos Playmobill, o artista aborda os costumes locais com suas releituras de imagens e textos publicados nos meios de comunicação. Algumas imagens surgirão a partir do estímulo recebido por matérias de jornais, contudo a interação direta do público visitante por meio de depoimentos irá trazer mais detalhes para a narrativa construída, que posteriormente será fotografada e ampliada, potencializando a temática desenvolvida.


Dani Soter.



Fábio Carvalho. Ocupação Olímpica.


Hebert Sobral. Garoa.





SERVIÇO
PENSÃO ARTÍSTICA – abertura – ocupação dos artistas: Dani Soter, Daniela Dacorso, Fábio Carvalho e Heberth Sobral.
De 5 a 9 de maio de 2016
Horário de visitação: das 11h às 18h (com agendamento)
Rua Camerino nº15 (em frente à Praça dos Estivadores)

Eventos complementares no Jardim do Valongo:
5 de maio - 18h - Música de Quinta (Karaokê)
6 de maio - 18h - Na mesa com os artistas (bate-papo)
7 de maio - 17h - Batuke de Ciata, com Mestre Riko

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now