sábado, 7 de novembro de 2015

Proarte Galeria Homenageia Artistas Japoneses em exposição "Sete do Seibe"




PROARTE GALERIA HOMENAGEIA ARTISTAS JAPONESES EM EXPOSIÇÃO ‘SETE DO SEIBI’

De 18 de novembro a 3 de dezembro, o espaço apresenta mostra em comemoração aos 80 anos de criação do Grupo Seibi em São Paulo
Fukushima, Mabe, Tomie e amigos em 1964_
Fukushima, Mabe, Tomie e amigos, em 1964. Foto: Divulgação


Proarte Galeria celebra os 80 anos da criação do Grupo Seibi na exposição “Sete do Seibi”, com abertura em 17 de novembro, às 19h, em São Paulo. Com visitação pública de 18 de novembro a 3 de dezembro, a mostra reúne 42 obras de artistas nipo-brasileiros que participaram do coletivo desde sua fundação, em 1935, ao encerramento das atividades na década de 1970.
                                                                      
Entre os homenageados estão os pioneiros do projeto Tomoo Handa, Yoshya Takaoka, Yuji Tamaki, além de Tikashi Fukushima, Manabu Mabe, Tomie Ohtake e Kazuo Wakabayashi, que aderiram ao grupo no período do pós-Segunda Guerra Mundial.

“O Seibi tinha como objetivo criar um espaço de convivência entre os artistas nipo-brasileiros atuantes, sobretudo em São Paulo, trocar experiências entre eles e estimular a divulgação mútua de seus trabalhos”, afirma o diretor da Proarte, Miguel Felmanas. Parte das obras que serão exibidas são do acervo da própria galeria, enquanto outras foram cedidas por colecionadores e familiares dos artistas.

Para a produtora da exposição, Ely Sayemi lutaka, do Joh Mabe Espaço Arte & Cultura, a premiação de Manabu Mabe, em 1959, na V Bienal de São Paulo como Melhor Pintor Nacional, “sinalizou o reconhecimento da importante presença do grupo de pintores nipo-brasileiros no panorama da arte brasileira”.

Segundo o curador da mostra, Enock Sacramento, “os nipônicos e seus descendentes trouxeram para a arte brasileira uma contribuição inestimável: a fusão da cultura japonesa com a brasileira. Nas paletas e telas, os gestos foram guiados por expressões individuais e misturas enriquecedoras. Em algumas produções há o predomínio do substrato do ocidente e, em outras, o do oriente; ora a explosão, ora a contenção; ora a reflexão, ora a ação; e, em alguns casos, o equilíbrio entre os dois polos”.


SOBRE O GRUPO SEIBI

O coletivo artístico foi criado em 1935 e as primeiras reuniões ocorreram na casa de Tomoo Handa, em Higienópolis, São Paulo. Posteriormente, os artistas passaram a se encontrar nos porões de uma sociedade beneficente japonesa, na Liberdade. Entre eles, estavam Tomoo Handa, Yoshya Takaoka, Yuji Tamaki, Tikashi Fukushima, Manabu Mabe, Tomie Ohtake e KazuoWakabayashi.

Além dos homenageados na exposição, o coletivo contou com o talento de Walter Shigeto Tanaka, Kichizaemon Takahashi, Hajime Higaki, Massato Aki e Iwakichi Yamamoto - na primeira fase (1935-1939) - e de Takeshi, Teiiti Suzuki, Massao, Alina Okinaka, Kenjiro Massuda, Massami Tanaka, Flávio Shiró, Shigeo Nishimura, Minoro Watanabe, Kasuo Tsumori, Mitsuo Toda, Mari Yoshimoto, Jorge Mori e João Suzuki, no segundo ciclo de produções que se estendeu de 1947 até o início dos anos 1970.


SOBRE ARTISTAS NIPO-BRASILEIROS DA EXPOSIÇÃO

KAZUO WAKABAYASHI – Kobe, Japão, 1931
Kazuo Wakabayashi estudou pintura, desenho e abandou a Faculdade de Arquitetura da Universidade de Tóquio para se dedicar aos quadros. O artista chegou ao Brasil em 1961 e integrou o Grupo Seibi na fase final. Seu trabalho inclui traços figurativos, abstratos e elementos caracteristicamente orientais como figuras do teatro clássico japonês (kabuki), formas circulares (mari) e pássaros em forma de origami (orizuru). Atualmente, Wakabayashi é considerado o mais oriental dos pintores brasileiros.

MANABU MABE – Kumamoto, Japão (1924) – São Paulo, SP (1997)
Manabu chegou ao Brasil com 10 anos e, a partir da década de 1940, encantou-se pela pintura. No mesmo período, conheceu Tomoo Handa e foi convidado para integrar o Grupo Seibi. Em 1959, recebeu os prêmios Aquisição; Governador do Estado, no Salão Paulista de Arte Moderna; Braun na Bienal de Paris e o Prêmio de Melhor Pintor Nacional na V Bienal Internacional de São Paulo. Mabe ganhou reconhecimento como artista ícone do abstracionismo nipo-brasileiro.

TIKASHI FUKUSHIMA – Soma, Japão (1920) – São Paulo, SP (2001)
Tikashi Fukushima se instalou no Brasil em 1940. No fim da mesma década, mudou-se para a capital paulista e começou a participar das reuniões do Grupo Seibi. Sua carreira ganhou notoriedade nos anos 1950 quando entra para os principais salões nacionais e mostras de arte nipo-brasileira. Em 2001, a Pinacoteca do Estado de São Paulo promoveu uma retrospectiva de sua obra na mesma época do lançamento do livro Tikashi Fukushima pela Imprensa Oficial e Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa.

TOMIE OHTAKE – Kioto, Japão (1913) – São Paulo, SP (2014)       
Tomie Ohtake aportou no Brasil em 1936 e, embora apaixonada por pintura, não conseguiu se dedicar à arte por alguns anos, enquanto cuidava de sua família. Em 1953, aos quarenta anos, fascinou-se pelo trabalho do pintor japonês Keisuke Sugano e formou um grupo que passou a receber sua orientação. Começou pintando naturezas mortas e paisagem, mas nos anos 1970 incorpora formas geométricas, evoluindo para o campo da relação forma-cor. A artista produziu diversas obras públicas da cidade de São Paulo e tornou-se referência da arte nipo-brasileira. Em 2001, foi inaugurado o instituto que leva o seu nome; o local reúne um dos mais importantes centros culturais da cidade de São Paulo.

TOMOO HANDA – Utsonomyia, Japão (1906) – Atibaia, SP (1996)
Para seguir carreira de pintor, Tomoo Handa formou-se na Escola Profissional Masculina e Escola de Belas Artes de São Paulo. Em 1935, fundou o Grupo Seibi com outros artistas nipo-brasileiros e se dedicou ativamente a produção de telas figurativas explorando, principalmente, as paisagens naturais brasileiras e retratos. Além de pintor, Handa também assinou o livro “O Imigrante Japonês – História de sua vida no Brasil”.

YOSHIYA TAKAOKA – Tóquio, Japão (1909) – São Paulo, SP (1978)
Takaoka emigrou para o Brasil em 1925, estou na Escola Profissional Masculina, em São Paulo, e na Escola Nacional de Belas Artes carioca. Foi um dos fundadores do Seibi e integrou os grupos artísticos 15 e Guanabara. Em 1951, participou da I Bienal de São Paulo e, no ano seguinte, viajou para a França para complementar sua formação na Académie de la Grande Chaumière. Sua obra reúne diversas pinturas a óleo e aquarelas de paisagens, retratos e desenhos de animais.

YUJI TAMAKI – Fukui, Japão (1916) – São Paulo, SP (1979)
Tamaki foi aluno da Escola Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro e integrou o Núcleo Bernardelli - espaço de convivência e troca de informações entre artistas. Participou da fundação do Seibi e de exposições de trabalhos do grupo em importantes salões nacionais. Suas produções se caracterizam, majoritariamente, pela presença de paisagens urbanas e de campo, sem a presença de pessoas ou acontecimentos.

SOBRE PROARTE GALERIA

A Proarte segue com afinco a definição de arte enquanto patrimônio cultural humano, encarando-a com admiração e seriedade acima de qualquer premissa. Com a tradição de uma marca prestes a completar 30 anos no mercado, sempre sob liderança de Miguel Felmanas, a galeria realiza exposições, avaliações e leilões, em vista do comprometimento no auxílio ao complemento de coleções e à promoção de artistas renomados e também daqueles em busca de reconhecimento perante público e crítica. O acervo da galeria ultrapassa limites geográficos e vanguardistas, englobando peças dos períodos modernistas, concretistas e até mesmo os abstratos. Nomes como os de Di Cavalcanti, Alfredo Volpi, Portinari e Tomie Ohtake estão representados nesta coleção. Atualmente a Proarte concentra seus leilões na cidade de São Paulo, com intuito de sempre haver excelência nas escolhas curatoriais da casa. 
www.proartegaleria.com.br


SERVIÇO
Exposição “Sete do Seibi”
Abertura: 17 de novembro (terça-feira), às 19h
Visitação: de 18 de novembro a 3 de dezembro de 2015 
Horário: de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h. Sábado, das 10h às 16h.
Local: Proarte Galeria
Endereço: Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1644, Jardim Paulistano, São Paulo - SP
Entrada gratuita
Mais informações: (11) 3085-7488 ou 
contato@proartegaleria.com.br
Estacionamento no local
www.proartegaleria.com.br

Bate-Papo com familiares dos artistas*: 25 de novembro, às 19h.
50 vagas. Inscrições pelo e-mail contato@proartegaleria.com.br

Convidados*: Ely Iutaka (produtora da exposição e sobrinha Mabe); Enock Sacramento (curador da exposição); Neide Takaoka (filha Takaoka); Yugo Mabe (filho Mabe); Yoshino Mabe (viúva Mabe)


INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now