sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Pepe Espaliú





Pepe Espaliú (1955-1993) Nasceu em Cordoba. Foi importante artista de sua época trabalhando como pintor, escultor, desenhista. Sua obra foi uma reflexão sobre a própria identidade incluindo a sua vivência com a AIDS, com a qual dialogou no plano artístico produzindo numerosas e importantes obras. Em 1994, um ano após sua morte, o Museu Reina Sofia realizou retrospectiva. Em 1974, mudou-se para Barcelona para estudar nas Faculdades de Filosofia e de Geografia e História. Simultaneamente, frequentou aulas na Escola Massana realizando exposições e performances. Mais adiante, foi morar em Paris e sob a influência da Figuração Livre voltou-se à pintura. Em 1986, mudou-se para Sevilha, dicando-se à obra simbólica com base no desenho. Nesse momento, aparece as referências as suas preferência homossexuais e às práticas sadomasoquistas. Participou da Bienal de Veneza.  Em 1990, durante sua residência em Nova York, tomou conhecimento de sua contaminação pelo HIV. Decidiu voltar a Espanha para lutar pelos doentes da SIDA. Morreu em Madrid em consequências às complicações da doença. Uma casa do século XVIII em Córdoba, totalmente restaurada, foi escolhida sediar a Fundação Pepe Espaliú.



Série: Fotografias de Barcelona, 1975.


Sem título. Serie Patrones, 1988


Santos IV, 1988. Museo Reina Sofia, Madri.





Santos V, 1988. Museo Reina Sofia, Madri.



Santos X, 1988.


Provisional Suicides, 1989.


Natividad, 1990.


Carrying VI, 1992.


Sem título. Tres Jaulas, 1992.

Rumi, 1993.


The Nest, 1993.


Luisa II, 1993.


Carrying, 1993. "A ação de Carrying foi escultura e performance: foi mística, prática, teatral, mundana e transcendental. Poderia dizer-se inclusive que foi catártica, um ritual de cura e amor. A visão de um homem doente levado através das ruas é plena de ressonâncias". Adrian Searle.



Sem título, 1993. Museo Reina Sofia, Madrid.


Sem título, 2003. Museo Reina Sofia, Madrid.


Em Nome del Padre, 2014. Exibição no Centro de Arte Pepe Espaliú.








Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now