quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Deitei para repousar e ele mexeu comigo – Pinturas de Fabio Baroli” traz o impactante trabalho do artista mineiro para o CCBB Brasília





Deitei para repousar e ele mexeu comigo – Pinturas de Fabio Baroli” traz o impactante trabalho do artista mineiro para o CCBB Brasília


#Mostra com 112 pinturas propõe um olhar amplo sobre o trabalho de um artista que tem sua produção marcada pela itinerância e pela pesquisa pictórica aprofundada.
#Conceito da exposição foi inspirado na "antropomatutologia", expressão criada por Baroli para designar o conhecimento do matuto que abriga o conjunto
de sua produção e alinhava o recorte da curadoria.



Entre 28 de outubro e 21 de dezembro, o Centro Cultural Banco do Brasil – Brasília recebe a exposição “Deitei para repousar e ele mexeu comigo – Pinturas de Fabio Baroli”, que consiste numa apurada seleção das impactantes pinturas de Fabio Baroli, um dos jovens artistas brasileiros mais conceituados da atualidade. 
Com curadoria de Renata Azambuja – pesquisadora, curadora independente, crítica de arte e arte-educadora –, a mostra também prevê o lançamento de um catálogo contendo reproduções dos trabalhos presentes na exposição.

Fabio Baroli utiliza a linguagem da pintura como suporte para desenvolver sua poética. O conceito da exposição é baseado na noção de percurso, história e memória, apresentada ao público por meio da experiência pictórica do artista, desenvolvida a partir da "antropomatutologia", expressão por ele criada para designar o conhecimento do matuto que abriga o conjunto de sua produção e alinhava o recorte curatorial.
A mostra traz à tona aspectos de situações presentes no ambiente rural brasileiro contemporâneo em consonância com o desejo de estudar a história da arte brasileira e a linguagem artística, constantes no trabalho de Baroli.
“Deitei para repousar e ele mexeu comigo traz, aproximadamente, 112 obras selecionadas de três conjuntos diversos: obras em coleções, obras recentes e obras em realização especialmente para a exposição. O público poderá mergulhar no universo rico e instigante que salta das telas de Fabio Baroli, onde convivem camadas de tempos e de espaços que se postam lado a lado, como vasos comunicantes.
O artista enquadra cenas íntimas, infantis, urbanas, rurais, cotidianas, domésticas, de televisão, das lendas e mitos, de amor e transgressão. São nacos de vida onde há espaço para que coabitem, em paz ou em conflito, momentos que relacionam fragmentos dos reinos animal, mineral e vegetal.
O título Deitei para repousar e ele mexeu comigo” – pinçado de uma das pinturas (presente na mostra) – relaciona-se a um episódio da sua infância, em especial aos fragmentos de memória de uma conversa com seu pai, que faleceu recentemente e que estará representado na exposição.
A mostra reúne extratos de produção que evidenciam momentos de passagem no desenvolvimento dos trabalhos realizados nos vários pontos onde Baroli esteve: Brasília, Rio de Janeiro e Uberaba, sua cidade natal e onde vive atualmente.
Por fim, será apresentado em primeira mão nesta mostra o trabalho que vem sendo realizado atualmente, além do material feito especialmente para a exposição em Brasília.
A escolha de Brasília se deve ao fato de que a capital federal foi o lugar onde Fabio Baroli começou a trabalhar, efetivamente, com pintura, após a passagem pela universidade, por meio do aprendizado em ateliês e em razão das trocas com amigos artistas, muitos atualmente com projeção nacional.
A mostra propõe um olhar amplo sobre o trabalho de um artista que tem sua produção marcada pela itinerância e pela pesquisa pictórica aprofundada. A ideia é apresentar um recorte curatorial que vai desde o início de sua carreira até os trabalhos mais recentes.

Estão programados, ainda, uma oficina com o artista para estudantes e público em geral, uma palestra de formação para professores da rede de ensino (a cargo da curadora, que é também arte-educadora) e bate-papo no espaço da exposição, com convidado.

Fábio Baroli

Uberaba, MG, 1981, onde vive e trabalha.   

Bacharel em Artes Plásticas pelo Instituto de Artes da Universidade de Brasília - UnB.   
   
Utiliza a linguagem da pintura como suporte para desenvolver sua poética, que lida com os conceitos da apropriação e do erotismo. Seus trabalhos mais recentes trazem questionamentos sobre o regionalismo e o imaginário infantil no interior de Minas Gerais.   
   
Suas principais exposições individuais foram: Muito pelo ao contrário, Centro Cultural Banco do  Nordeste CCBNB  (Fortaleza/CE);  Vendeta: a Intifada (Funarte, Recife, PE, 2012/2013);  Vendeta  (Galeria  Moura Marsiaj,  São Paulo,  SP,  2012);  Domingo (Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro, RJ,  2012); Lar doce lar  (Centro Cultural Banco do Nordeste,  Sousa, PB, 2011);  Narrativas Privadas  (Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2010);  Erotismo e Apropriação (Centro Municipal Adamastor, Guarulhos, SP, 2010).

Dentre as principais coletivas destacam-se: Duplo olhar (Paço das Artes,  São Paulo, SP, 2014);   Crer  em fantasmas: Territórios da  pintura contemporânea (Caixa     Cultural  Brasília, DF,  2013); Territórios (Funarte, Recife,  PE, 2012);  Convite  à   Viagem - Rumos Artes Visuais  2011/2013  (Instituto Itaú Cultural, São Paulo, SP, 2012); Pincilada  (Baró Galeria, São Paulo, SP,  2011); Aos ventos que virão... Brasília (1960 – 2010 - Espaço Cultural Contemporâneo - ECCO, Brasília, DF, 2010); arquivo Brasília: cidade imaginário (Espaço Cultural Marcantonio  Vilaça,   Brasília, DF,  2010);  Brasília    Prazer de  Pintura (Galeira Fayga Ostrower da Funarte/MinC, Brasília, DF,  2010); Mostra Coletiva Olheiro da Arte  (Centro Cultural   da Justiça Eleitoral - CCJE, Rio de Janeiro, RJ,  2010).        

Os principais prêmios foram: Prêmio Funarte de Arte Contemporânea – Galeria Nordeste de Artes Visuais (Recife, PE, 2012); X Prêmio de Arte Contemporânea do Iate Clube de Brasília (Brasília, DF, 2011); 28° Salão Arte Pará (Belém, PA, 2011).  Em 2012 foi indicado ao Prêmio Investidor Profissional de Arte (PIPA). 

  Possui obras nos acervos do Museu de Arte Moderna – MAM (RJ) (Rio de Janeiro, Brasil); Brazil Golden Arts Investiments - BGA (São Paulo, Brasil); Museu Nacional de Brasília (Brasília, Brasil); Museu de Arte Contemporânea do Mato Grosso do Sul  (Campo Grande, Brasil);  Fundação Romulo Maiorana  (Belém,  Brasil)  e coleções   particulares no Brasil  e exterior.

Série: Quando a Seca Entra, 2015. Óleo sobre tela 30x30 cm.


Série: Quando a Seca Entra, 2015. Óleo sobre tela. 30x40 cm.








Serviço:

Deitei para repousar e ele mexeu comigo – pinturas de Fabio Baroli
Data: 28 de outubro a 21 de dezembro, de quarta a segunda-feira, das 9h às 21h.
Local: Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB – Brasília)
SCES Trecho 2 – Brasília/DF
Tel: 61 3108-7600
Entrada Franca
Classificação indicativa:

Oficina de pintura com Fabio Baroli:
25 a 27 de novembro de 19 às 22h
Classificação indicativa: 14 anos
Número de vagas: 14
Local: Sala Multiuso do CCBB Brasília

Palestra para professores com Renata Azambuja
05 de novembro - 9 às 12h30
Local: Sala Multiuso do CCBB Brasília


Informações para a imprensa:

Panorama Assessoria
Ulisses de Freitas – (61) 8126-6445
Rosane Amaral – (61) 8125-9021
panorama.assessoria@gmail.com



Patrocínio: Banco do Brasil

Assessoria de imprensa CCBB: Ricardo Torres – ricftorres@bb.com.br - (61) 3108-7629 / 7630

O CCBB disponibiliza ônibus gratuito, identificado com a marca do Centro Cultural. O transporte funciona de quarta a segunda-feira. Consulte todos os locais e horários de saída no site e no Facebook.

O Centro Cultural também oferece transporte escolar gratuito para escolas públicas, ONGs e instituições assistenciais do Distrito Federal e entorno mediante agendamento pelo número 3108-7623 ou 3108-7624.

CCBB Brasília
Aberto de quarta a segunda-feira das 9h às 21h
SCES Trecho 2 – Brasília/DF  Tel: (61) 3108-7600

E-mail:
ccbbdf@bb.com.br   Site: bb.com.br/cultura
Redes sociais: facebook.com/ccbb.brasilia e twitter.com/CCBB_DF

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now