sexta-feira, 24 de abril de 2015

Manuela CostaLima/Pedras Errantes

ZIP'UP
MANUELA COSTALIMA | PEDRAS ERRANTES
ABERTURA | TERÇA-FEIRA, 28 DE ABRIL, DAS 19H ÀS 22H
A obra da paulistana Manuela CostaLima se pauta por uma investigação sobre o lugar, hoje não apenas um item de cartografia planificada mas sim um território prenhe de significações múltiplas no campo das artes visuais, em tempos de Google Street View e geolocalizadores utilizados à exaustão, na palma da mão. No entanto, sua abordagem poética por meio de variadas linguagens, como a fotografia e o objeto, não se liga a uma frieza de coleta de dados ‘tecnológicos’ e de interações forçadas, e sim à uma busca de humanização de procedimentos, abordagens e métodos de uso cotidiano que podem ser amplificados e dizer muito sobre nossos dias.

Por meio de múltiplos suportes, Manuela vem desenvolvendo uma pesquisa sobre o lugar e seu processo de significação pela experiência humana. A artista parte do conceito de lugar como espaço percorrido, que no percurso é apropriado e ganha significado. Um ponto do espaço a que se atribui um nome e uma memória é que assim se distingue de todos os outros. O caminhar é, para a artista, um instrumento de significação de espaços. O caminho, ele mesmo, um lugar.

Na entrada da galeria, o público se deparará com a presença da primeira obra, Gabião. Uma grande gaiola metálica repleta de pedras britadas. Uma pedra maior destaca-se desse conjunto, rompendo a trama metálica. Implantada na área externa da Zipper, a escultura pretende criar uma ponte entre o que está presente no espaço interno da galeria e seu tema: a cidade.

Gabião remete a uma experiência de espaço público e a uma tensão entre indivíduo e multidão. Seus elementos constituintes, pedra e metal relacionam-se diretamente à materialidade das ruas e sua simplicidade bruta. O rompimento da tela revela a presença de falhas e surpresas em sistemas e espaços criados pelo homem.

Em Geopantone, presente no interior da galeria, o espaço urbano é explorado em caminhadas virtuais. A partir da tela do seu computador, a artista captura cenas congeladas da cidade. Ao realizar uma aproximação máxima, através do zoom, ela transforma essas imagens em planos de cor. A repetição da ação traduz seu percurso virtual e o espaço urbano em uma escala cromática.

Como em uma escala pantone, que contém o código correspondente a cada cor, junto à cada tonalidade da cidade estão as informações contidas na barra do navegador do Google Street View, indicando o endereço virtual daquele lugar. Geopantone propõe assim uma relação com São Paulo a partir de sua paleta de cor.

Na terceira e ultima obra em exposição, Wandering rocks, as vozes da cidade se materializam em cubos de concreto espalhados pelo espaço expositivo. Em cada um dos cubos estão gravadas as coordenadas geográficas do início e do fim de caminhos realizados em São Paulo em que a artista capta sons de vozes humanas. Os registros desses encontros no ambiente urbano estabelecem pontos dessa geografia que adquirem memória e que, por isso,  passam a distinguir-se dos demais. Em conjunto, a instalação forma um grande fluxo de consciência da cidade, um mapeamento sonoro e geográfico, que convida o público a percorrer o espaço urbano a partir desses múltiplos estímulos.

O som que ecoa das caixas e preenche a sala não é um registro exato de cada caminho, mas uma reconstrução a partir da memória. Algumas coisas marcam, outras são esquecidas, e no ambiente permanece a essência de uma experiência de espaço público.

A artista contrapõe instrumentos de racionalização e controle - sistemas, grelhas e padrões - à experiência humana e discute os limites da proximidade e do pertencimento gerados por esses sistemas de matematização do espaço real e virtual. Assim, busca trazer significado àquilo que é  frio e desprovido de identidade. Por meio dessa reconstrução afetiva dos espaços percorridos, apresenta uma cidade polifônica e singular.


Sobre a artista
Manuela CostaLima nasceu em 1983, em São Paulo, onde vive e trabalha. Formou-se em 2013, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP. Em 2012, participou de uma exposição coletiva na Casa Batló, em Barcelona. Em 2013 participou da 21aMostra do Programa Visualidade Nascente da Universidade de São Paulo com exposição coletiva no Centro Universitário Maria Antônia. Participou também de Roupa de Domingo – exposição do coletivo de fotografia companhia rapadura na Biblioteca Alceu de Amoroso Lima, em São Paulo, organizada pela galeria Central. Em 2014 a artista participou da exposição do coletivo Companhia Rapadura no Palácio das Artes de Belo Horizonte, do 46O SAC - Salão de arte contemporânea de Piracicaba e na Casa Cactus, São Paulo. A exposição O Duplo, foi sua primeira exposição individual, que aconteceu de novembro à dezembro de 2014, na Casa da Cultura de Paraty.PARAGENS - exposição individual da artista na Fundação Cultural BADESC,  em Florianópolis, tem abertura prevista para Julho de 2015.


Serviço
Abertura: Terça-feira, 28 de abril, das 19h às 22h
Visitação: de 29 de abril a 30 de maio, 2015
Segunda a sexta das 10h às 19h
Sábados das 11h às 17h 

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now