quinta-feira, 7 de agosto de 2014

GALERIA LUME EXIBE SÉRIE INÉDITA DE GABRIEL WICKBOLD


GALERIA LUME EXIBE SÉRIE INÉDITA DE GABRIEL WICKBOLD

Galeria Lume abre a exposição Sans Tache (Sem Marcas), do fotógrafo Gabriel Wickbold e curadoria de Diógenes Moura. A série inédita com 15 fotografias questiona o Homem e sua relação com o envelhecimento, com o intuito de criticar a estética “super manipulada” ditada pela mídia em fotografias que não transmitem a real aparência dos personagens.

Inspirado na luz lateral e sombria de Caravaggio e na arte barroca renascentista, Gabriel Wickbold fotografa diversas pessoas que “emprestam” seus corpos para este ensaio, cujo resultado nos deixa com a sensação de estarem embalsamados, submersos ou, em outros momentos em estado de levitação. Livres de toda e qualquer marca ou mancha em suas peles, por meio de tratamento de imagem, as fotografias são impressas e submetidas à “grilagem”[1]. A partir de então, os excrementos e movimentos frenéticos dos insetos passam a agir nos retratos, dando uma aparência de papel envelhecido e revelando a questão corpo/tempo/marcas. Cada foto recebe essa ação à sua maneira, assim como na vida o tempo age de forma distinta para cada um. Em algumas imagens, o corpo se apresenta como em posição fetal, sem formas claras. Em outro momento, em pé, quase como um espelho em tamanho real. Um casal, como Adão e Eva, mostrando que o tempo passou até para quem foi o início da “criação divina”. Em outra fotografia, o menino de cabelo ruivo parece Peter Pan em vôo livre – como na “Terra do Nunca”, onde não se envelhece jamais.

Os novos trabalhos de Gabriel Wickbold criticam a estética artificial e distorcida em relação aos corpos exibidos em revistas ou pela Internet que não apresentam manchas ou rugas, como se envelhecer fosse feio, como se fosse errado ou negativo ter os sinais da passagem do tempo impressos na pele das pessoas retratadas. Sobre o questionamento, Diógenes Moura comenta: “Todos nós queremos ser belos, adorados, inesquecíveis, material de consumo. Gabriel Wickbold pensou uma série para entregá-la à passagem do tempo. Sugere, como resultado final para "corpos perfeitos" o destino que só o tempo será capaz de desvendar. Possibilita que sua fotografia corroída invente um outro corpo - dessa vez nada renascentista - diante do espelho/simulacro que enfrentamos diariamente em nossa fragilidade cotidiana.”.

Nesta série, a intervenção dos grilos se dá ao comerem o papel onde a imagem de um corpo, em tamanho real, aparece de forma sutil. Metaforicamente, o corpo nada mais é do que o homem sendo comido pelo bicho. O fim que todos nós teremos. “Sans Tache trata da relação humana com as marcas das quais nós mesmos queremos fugir, ao invés de acreditar que elas são parte do nosso aprendizado e da forma mais pura do homem, que é ser feito de carne e osso (...)”, nas palavras do fotógrafo.


Exposição: Sans Tache (Sem Marcas)
Artista: Gabriel Wickbold
Curadoria e expografia: Diógenes Moura
Consultoria: Haron Cohen
Coordenação: Paulo Kassab Jr. e Felipe Hegg
Abertura: 14 de agosto de 2014, quinta-feira, às 19h
Período: De 15 de agosto a 20 de setembro de 2014
Local: Galeria LUMEwww.galerialume.com
Rua Joaquim Floriano, 711 – 2º andar – Itaim Bibi – São Paulo, SP
Tel.: (11) 3168-0351
Horário: Segunda a sexta-feira, das 10h às 19h. Sábado, das 11h às 14h


* Link para visualização e download de imagens em baixa resolução: http://bit.ly/1mYY1UJ












Galeria Lume abre a exposição Sans Tache (Sem Marcas), do fotógrafo Gabriel Wickbold e curadoria de Diógenes Moura. A série inédita com 15 fotografias questiona o Homem e sua relação com o envelhecimento, com o intuito de criticar a estética “super manipulada” ditada pela mídia em fotografias que não transmitem a real aparência dos personagens.

Inspirado na luz lateral e sombria de Caravaggio e na arte barroca renascentista, Gabriel Wickbold fotografa diversas pessoas que “emprestam” seus corpos para este ensaio, cujo resultado nos deixa com a sensação de estarem embalsamados, submersos ou, em outros momentos em estado de levitação. Livres de toda e qualquer marca ou mancha em suas peles, por meio de tratamento de imagem, as fotografias são impressas e submetidas à “grilagem”[1]. A partir de então, os excrementos e movimentos frenéticos dos insetos passam a agir nos retratos, dando uma aparência de papel envelhecido e revelando a questão corpo/tempo/marcas. Cada foto recebe essa ação à sua maneira, assim como na vida o tempo age de forma distinta para cada um. Em algumas imagens, o corpo se apresenta como em posição fetal, sem formas claras. Em outro momento, em pé, quase como um espelho em tamanho real. Um casal, como Adão e Eva, mostrando que o tempo passou até para quem foi o início da “criação divina”. Em outra fotografia, o menino de cabelo ruivo parece Peter Pan em vôo livre – como na “Terra do Nunca”, onde não se envelhece jamais.

Os novos trabalhos de Gabriel Wickbold criticam a estética artificial e distorcida em relação aos corpos exibidos em revistas ou pela Internet que não apresentam manchas ou rugas, como se envelhecer fosse feio, como se fosse errado ou negativo ter os sinais da passagem do tempo impressos na pele das pessoas retratadas. Sobre o questionamento, Diógenes Moura comenta: “Todos nós queremos ser belos, adorados, inesquecíveis, material de consumo. Gabriel Wickbold pensou uma série para entregá-la à passagem do tempo. Sugere, como resultado final para "corpos perfeitos" o destino que só o tempo será capaz de desvendar. Possibilita que sua fotografia corroída invente um outro corpo - dessa vez nada renascentista - diante do espelho/simulacro que enfrentamos diariamente em nossa fragilidade cotidiana.”.

Nesta série, a intervenção dos grilos se dá ao comerem o papel onde a imagem de um corpo, em tamanho real, aparece de forma sutil. Metaforicamente, o corpo nada mais é do que o homem sendo comido pelo bicho. O fim que todos nós teremos. “Sans Tache trata da relação humana com as marcas das quais nós mesmos queremos fugir, ao invés de acreditar que elas são parte do nosso aprendizado e da forma mais pura do homem, que é ser feito de carne e osso (...)”, nas palavras do fotógrafo.

Exposição                                  Sans Tache (Sem Marcas)
Artista                                        Gabriel Wickbold
Curadoria e expografia            Diógenes Moura
Consultoria                                  Haron Cohen
Coordenação                            Paulo Kassab Jr. e Felipe Hegg
Abertura                         14 de agosto de 2014, quinta-feira, às 19h
Período                            De 15 de agosto a 20 de setembro de 2014
Local                                          Galeria LUMEwww.galerialume.com
Rua Joaquim Floriano, 711 – 2º andar – Itaim Bibi – São Paulo, SP
Tel.: (11) 3168-0351
Horário                            Segunda a sexta-feira, das 10h às 19h. Sábado, das 11h às 14h
Número de obras                                    15
Técnicas                         Fotografia
Dimensões                                  80 x 180 cm e 133 x 300 cm
Preço                                          R$ 18.000,00 e R$ 28.000,00


Ass. Imprensa  - Balady Comunicação – Silvia Balady/Zeca Florentino
Tel.: (11) 3814.3382 – contato@balady.com.br

Gabriel Wickbold
Formado em Radio e TV pela FAAP, sempre esteve envolvido com o universo das artes, música e poesia. Sua mãe, artista plástica, teve papel fundamental em sua formação. Descobriu seu amor pela fotografia numa viagem de 10 mil km que realizou em 2006 pelo interior do Brasil, registrando a essência do povo brasileiro. Esse material foi exposto em 2008, em Estocolmo, na Suécia. A partir daí, passou a dedicar-se integralmente à fotografia. Em sua segunda série, “Sexual Colors”, transformou o corpo dos modelos em tela para tratar a sexualidade usando tintas. O trabalho foi publicado em revistas do mundo inteiro, dando-lhe projeção internacional.

Diógenes Moura
Nasceu na Rua do Lima, em Recife, Pernambuco. Vive em São Paulo desde 1989. É escritor, curador de fotografia e editor independente. Entre 1998 e maio de 2013 foi Curador de Fotografia da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 2009 foi eleito o Melhor Curador de Fotografia do Brasil pelo Sixpix/Fotosite. No ano seguinte recebeu o prêmio APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes de melhor livro de contos/crônicas com Ficção Interrompida – Uma Caixa de Curtas (Ateliê Editorial). Com o mesmo título foi finalista do Prêmio Jabuti de Literatura 2011. Premiado no Brasil e no exterior, só entende fotografia vendo-a como literatura. Mesmo sem ter nenhuma expectativa em relação ao futuro da humanidade, atualmente finaliza sua primeira novela, A Placa Mãe.

Galeria Lume
Fundada em 2011 com o objetivo de exibir os grandes nomes da fotografia brasileira, a Galeria LUME estabeleceu-se em pouco tempo como referência de vitalidade, conceito e transgressão. Dirigida por Felipe Hegg e Paulo Kassab Jr., a LUME apresenta um novo caminho para a leitura da contemporaneidade, através de um diálogo aberto, pautado pela pesquisa curatorial e pelo espírito da época. A galeria oferece um panorama dinâmico, apostando em diferentes suportes, nos quais artistas brasileiros e estrangeiros realizam exposições ousadas, orientadas pelo desenvolvimento de trabalhos conceituais e pesquisas consolidadas. A LUME participa, constantemente, de feiras nacionais e internacionais, e representa importantes artistas como Alberto Ferreira, Florian Raiss, Maxi Cohen e Martin Parr, entre vários outros.



[1] Prática muito antiga de colocar um papel (contendo um tipo de "comprovação" de propriedade) dentro de uma gaveta junto com alguns grilos. O papel, após algumas semanas, passa a ter uma aparência envelhecida em razão dos dejetos daqueles insetos. Com este papel envelhecido pela ação dos grilos, a pessoa visa comprovar a antiguidade de sua ocupação.

[1] Prática muito antiga de colocar um papel (contendo um tipo de "comprovação" de propriedade) dentro de uma gaveta junto com alguns grilos. O papel, após algumas semanas, passa a ter uma aparência envelhecida em razão dos dejetos daqueles insetos. Com este papel envelhecido pela ação dos grilos, a pessoa visa comprovar a antiguidade de sua ocupação.

Zeca
---
Balady Comunicação
Tel.: 11-3814.3382

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now