domingo, 8 de junho de 2014

Imagem Semanal O Caracol

Nas pinturas religiosas renascentistas, o caracol era utilizado como símbolo da pureza, ressureição e da própria morte. A representação do  cupido e caracol seria uma referência à sua reprodução, o caracol é hermafrodita, mas necessita de um outra para reprodução, cada um injeta no outro, por meio de uma estrutura semelhante a um dardo, o esperma necessário a procriação.


 Francesco del Cossa (1436-1478) Anunciation, 1470. Alte Master Gallerie, Dresden. Abaixo, detalhe do caracol.

Francesco del Cossa (1436-1478) Anunciation, 1470. Alte Master Gallerie, Dresden. Detalhe.


 
Carlo Crivelli (1435-1495) Madonna with Saint Francis and Sebastian, 1491. National Gallery, Londres.

Carlo Crivelli Detalhe com o caracol.




Abaixo, detalho do canto direito.

Albrecht Dürer (1471-1528)  Book of Hours of Emperor Maximiliano, 1513.


Raffaelo Sanzio (1483-1520)  Ressureição de Cristo, 1499-1502. MASP. S.P.


Baltazar van der Ast (1593-1657) Corbeille de fuit et Escargot.


Baltazar van der Ast (1593-1657) Still Life with Shells, 1511.   Boymans-van Beuningen Museum.

Hans Brosamer (1536-1552) Venus and Cupid on Snail, 1538. Cópia. Metropolitan Museum of Art, Nova York.



Jeremias Ritter (1605-1646) Snail with Nautilus Shell, 1630. Wadsworth Atheneum Museum of Art.
 
 
 
Giovanni Bapttist Piranesi (1720-1778)  Cupid and Snails. Gravura.






Michelangelo Maestri (?-1812) Cupid Drawn by Snails, 1805.




Ricahrd Doyle (1824-1833) Race of Snails, 1870. Ilustração.




Salvador Dali (1909-1984) The Persitence of Memory, 1931. MoMA, Nova York.


Salvador Dali (1909-1984) Snail and the Angel. Escultura em bronze 1-15.



 Frida Kahlo (1907-1954)  Henry Ford Hospital, 1932. Banco de Mexico Rivera & Frida Kahlo Museum, Cidade do México. O caracol representa o horror pela perda do filho.




Joan Miró (1893-1983) Escargot, Femme, Fleur e Étoike, 1934. Museo Nacional Reina Sofia, Madrid.

Henri Matisse (1869-1954) The Snail, 1953. Guache. Tate Gallery, Londres.


Domenico Gnoli (1933-1970) Snail on Sofa, 1967. Bienal de Veneza.

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now