quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Mosteiro da Luz: 240 anos. Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP











Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP, equipamento da Secretaria de Estado da Cultura, exibe Mosteiro da Luz: 240 anos, com curadoria de Maria Inês Lopes Coutinho, pesquisa histórica de Dalton Sala e instalação de Wilson Sukorski. A mostra representa uma celebração do aniversário do Mosteiro e conta sua trajetória - por meio de fotos, mapas, pinturas, esculturas, textos e cronologias -, desde a fundação em 1774 até os dias de hoje, quando se estabelece como um símbolo da cidade e uma referência mundial em história.

Projetado e construído por Frei Antonio de Sant’ Anna Galvão (Frei Galvão), o Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz - ou, simplesmente, Mosteiro da Luz -, é um exemplar significativo da arquitetura de taipa - técnica construtiva que utiliza argila e foi essencial para as edificações coloniais paulistas do início do século XVIII. É tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico do Estado de São Paulo), e pelo CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). Hoje, além do Convento das Irmãs Concepcionistas, que dedicam seus dias à oração e ao trabalho, abriga também a Igreja de Nossa Senhora da Luz e o Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP.

Nesta exposição, que evidencia a história colonial a partir de documentos primários, o público encontra obras do acervo relativas a esse período e à história do Mosteiro. Como itens de destaque, temos uma instalação audiovisual assinada por Wilson Sukorski, com imagens do Mosteiro e entorno - a partir de mapas, daguerreótipos e imagens aéreas da cidade, entre 1810 e 2013 - e efeitos de áudio (sinos, etc.); o cemitério interno, onde as monjas foram sepultadas, terá sua porta aberta para permitir a visão do público – com certas restrições de acesso; exemplares de numismática do acervo do MAS/SP, como uma moeda de Alexandre (Séc. 4 a.C.) - outros 2 exemplares fazem parte do acervo do Metropolitan Museum of Art e do Harvard Art Museums; as esculturas de Nossa Senhora das Dores, de Aleijadinho, a primeira obra do MAS/SP; e de São Francisco Xavier (final do Séc. XVII, iní cio do Séc. XVIII), .a mais recente aquisição.

Observada a complexidade arquitetônica do Mosteiro, resta a certeza de que o poder da fé imprimiu em São Paulo pegadas iniciais que viriam a se tornar, mais tarde, os alicerces culturais de uma metrópole latina.


ExposiçãoMosteiro da Luz: 240 anos
Curadoria: Maria Inês Lopes Coutinho
Pesquisa histórica: Dalton Sala
Instalação: Wilson Sukorski
Abertura: 2 de fevereiro de 2014, domingo, às 10h
Período: 4 de fevereiro a 9 de março de 2014
Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo – www.museuartesacra.org.br
Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo
Tel.: (11) 3326-5393 - visitas monitoradas
Horário: De terça a sexta-feira, das 9h às 17h, sábado e domingo das 10h às 18h
Ingresso: R$ 6,00 (estudantes pagam meia entrada); grátis aos sábados



Zeca
---
Balady Comunicação
Tel.: 11-3814.3382
Mosteiro da Luz: 240 anos

O Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP, equipamento da Secretaria de Estado da Cultura, exibe Mosteiro da Luz: 240 anos, com curadoria de Maria Inês Lopes Coutinho, pesquisa histórica de Dalton Sala e instalação de Wilson Sukorski. A mostra representa uma celebração do aniversário do Mosteiro e conta sua trajetória - por meio de fotos, mapas, pinturas, esculturas, textos e cronologias -, desde a fundação em 1774 até os dias de hoje, quando se estabelece como um símbolo da cidade e uma referência mundial em história.

Projetado e construído por Frei Antonio de Sant’ Anna Galvão (Frei Galvão), o Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz - ou, simplesmente, Mosteiro da Luz -, é um exemplar significativo da arquitetura de taipa - técnica construtiva que utiliza argila e foi essencial para as edificações coloniais paulistas do início do século XVIII. É tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico do Estado de São Paulo), e pelo CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo). Hoje, além do Convento das Irmãs Concepcionistas, que dedicam seus dias à oração e ao trabalho, abriga também a Igreja de Nossa Senhora da Luz e o Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP.

Nesta exposição, que evidencia a história colonial a partir de documentos primários, o público encontra obras do acervo relativas a esse período e à história do Mosteiro. Como itens de destaque, temos uma instalação audiovisual assinada por Wilson Sukorski, com imagens do Mosteiro e entorno - a partir de mapas, daguerreótipos e imagens aéreas da cidade, entre 1810 e 2013 - e efeitos de áudio (sinos, etc.); o cemitério interno, onde as monjas foram sepultadas, terá sua porta aberta para permitir a visão do público – com certas restrições de acesso; exemplares de numismática do acervo do MAS/SP, como uma moeda de Alexandre (Séc. 4 a.C.) - outros 2 exemplares fazem parte do acervo do Metropolitan Museum of Art e do Harvard Art Museums; as esculturas de Nossa Senhora das Dores, de Aleijadinho, a primeira obra do MAS/SP; e de São Francisco Xavier (final do Séc. XVII, iní cio do Séc. XVIII), .a mais recente aquisição.

Observada a complexidade arquitetônica do Mosteiro, resta a certeza de que o poder da fé imprimiu em São Paulo pegadas iniciais que viriam a se tornar, mais tarde, os alicerces culturais de uma metrópole latina.


Exposição                  Mosteiro da Luz: 240 anos
Curadoria                   Maria Inês Lopes Coutinho
Pesquisa histórica      Dalton Sala
Instalação                   Wilson Sukorski
Abertura                     2 de fevereiro de 2014, domingo, às 10h
Período                       4 de fevereiro a 9 de março de 2014
Local                           Museu de Arte Sacra de São Paulo  www.museuartesacra.org.br
Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo
Tel.: (11) 3326-5393 - visitas monitoradas
Horário                       De terça a sexta-feira, das 9h às 17h, sábado e domingo das 10h às 18h
Ingresso                      R$ 6,00 (estudantes pagam meia entrada); grátis aos sábados


Imprensa:
Museu de Arte Sacra de São Paulo
Balady Comunicação - Silvia Balady/ Zeca Florentino
Tel.: (11) 3814-3382 – contato@balady.com.br

Secretaria de Estado da Cultura
Jamille Menezes Ferreira – (11) 2627-8243 jmferreira@sp.gov.br
Renata Beltrão – (11) 2627-8166 rmbeltrao@sp.gov.br


O museu
Mantido pela Secretaria de Estado da Cultura, o Museu de Arte Sacra de São Paulo é uma das mais importantes instituições do gênero no país. É fruto de um convênio celebrado entre o Governo do Estado e a Mitra Arquidiocesana de São Paulo, em 28 de outubro de 1969, e sua instalação data de 28 de junho de 1970. Desde então, o Museu de Arte Sacra de São Paulo passou a ocupar ala do Mosteiro de Nossa Senhora da Imaculada Conceição da Luz, na avenida Tiradentes, centro da capital paulista. Seu acervo é composto por coleções do Governo do Estado, da Mitra Arquidiocesana, do Antigo Museu dos Presépios, da Ordem das Concepcionistas e de doações.
A edificação é um dos mais importantes monumentos da arquitetura colonial paulista, construído em taipa de pilão, raro exemplar remanescente na cidade, última chácara conventual de São Paulo. Foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1943, e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico do Estado de São Paulo, em 1979.
Tem grande parte de seu acervo também tombado pelo IPHAN, desde 1969, cujo inestimável patrimônio compreende relíquias das histórias do Brasil e mundial. O Museu de Arte Sacra de São Paulo detém uma vasta coleção de obras criadas entre os séculos XVI e XX, contando com exemplares raros e significativos. São mais de 14 mil itens no acervo. O museu possui obras de nomes reconhecidos, como Frei Agostinho da Piedade, Frei Agostinho de Jesus, Antonio Francisco de Lisboa, o “Aleijadinho” e Benedito Calixto de Jesus. Destacam-se também as coleções de presépios, prataria e ourivesaria, lampadários, mobiliário, retábulos, altares, vestimentas, livros litúrgicos e numismática.

Presidente do Conselho de Administração - José Roberto Marcellino dos Santos
Diretor Executivo - José Carlos Marçal de Barros
Diretor de Planejamento e Gestão - Luiz Henrique Marcon Neves
Diretora Técnica – Maria Inês Lopes Coutinho

Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now