quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Conversando sobre Arte Entrevistado Victor Mattina.


Foto: Marcelo Mattina.





Quem é Victor Mattina?
Nasci no dia 18 de Novembro de 1985 no Rio de Janeiro, onde vivo e trabalho. Estudei na Escola Alemã Corcovado, por onde o excelente artista André Dahmer também passou. Em meados de 2008, completei a graduação em desenho industrial pela Escola Superior de Propaganda e Marketing.

Como a arte entrou em sua vida?
Desde que eu era pequeno, a ex-mulher do meu tio mandava blocos de papel de impressora matricial lá pra casa dos meus pais e eu costumava passar horas deitado no chão da sala, enchendo aquela papelada verde e branca com desenhos. Meu irmão mais novo, Marcelo Mattina, também desenha com o mesmo entusiasmo.
Quando era viva, minha avó me contou que meu pai tinha uma caixa de tintas à óleo e uns pincéis, mas que os usou pouquíssimo depois que descobriu a música. Era comum encontrar meu pai tocando violão nos dias de ócio. Foi justamente ele quem me apresentou bandas como King Crimson, Renaissance e Fleetwood Mac.
Minha mãe sempre gostou de arte e de encher a casa com os objetos que ela faz. Convivíamos com seus livros de pintura, seu gosto por mitologia e ocultismo, ou seja, ela é uma bruxa solitária, sem conciliábulo.

Como foi sua formação artística?
Em 2005, no segundo período de faculdade, frequentei o curso de pintura de Renato Ferrari. Depois, em 2007, fiz um curso com Charles Watson. Estes dois caras abriram a minha cabeça como um pé-de-cabra. Em 2008, terminei a graduação em desenho industrial, mas já sabia que meu caminho era o das artes visuais.

Que artistas influenciam seu pensamento?
Gosto da perseverança e destreza do mágico Ricky Jay, da coragem de Benjamin Abrahão Botto, do senso de humor de Lord Buckley e da forma como Tobias Schneebaum abandonou a pintura.

Como você descreve sua obra?
Costumo ler sobre grupos religiosos como o Heaven’s Gate, Peoples Temple, Aum Shirinkyo, Branch Davidians, Febrônio Índio do Brasil etc. Tenho obsessão pelos assassinatos de JFK e Bobby Kennedy, e ultimamente tenho procurado por canibais, antigos e modernos. O que faço na pintura é, portanto, fruto de uma longa pesquisa sobre assuntos que me interessam.

É possível viver de arte?
Pintura é algo mais comercialmente vendável que performance, por exemplo. É possível viver da venda de pinturas sim, mas depende de como a pessoa administra seus gastos. Ainda não vivo só de arte e sei exatamente o porquê.

O que você pensa sobre os Salões de Arte?
Não sei o que dizer sobre Salões. Sigo enviando meu material e torcendo para que não os incinerem.

O que é necessário para um artista ser representado por uma galeria?
Trabalhar construindo um portfólio minimamente coerente, de preferência com uma pesquisa interessante e bater de porta em porta. Se conhecer algum artista que estiver disposto a te apresentar ou recomendar ao dono da galeria, melhor ainda. Fui representado pela Cosmocopa em seu último ano de existência e foi incrível.

Como se tornar um ícone nas artes plásticas?
Hahaha, essa pergunta é demais. Sei lá, cara. Se as pessoas forem ver os meus trabalhos e vierem conversar comigo depois eu já tô mais do que satisfeito.

O material produzido no Brasil para arte já pode ser considerado de boa qualidade?
Sem dúvida que sim. Geraldo Marcolini, Felipe Barbosa, Rafael Carneiro, Paulo Nenflídio, Rosana Ricalde, os Rocha Pitta, Tunga, Adriana Varejão e tantos outros não me deixam mentir. Aliás, um país que tem Farnese de Andrade e Mira Schendel não deve se questionar sobre isso.

Quais são seus planos para o futuro?

Continuar pintando e lendo feito um louco, expor com meus amigos e realizar o mestrado em Filosofia para poder dar aulas. Mal posso esperar.



 â€œpride-and-ego down”_Óleo Sobre Tela_47,5x48cm_201



AAAV1Armin Meiwes, 2013, Oleo sobre Tela, 129x71cm





CedarStreet_2012_OleoSobreTela_54,6x80,3cm.



Chamariz_OleoSobreTela_89x132cm_2011



Christopher Dorner_2013_Oleo sobre Tela_87 x 81 cm




Coruja_2011_Oleo sobreTela_123x99cm.



IbnAl-ShaykhAl-Libi_2012_OleoSobreTela_59x47,2cm.



Meiwes_2013_Oleo sobre tela_68 x 90,67cm



Sagawa_2013_Oleo sobre tela_124x82,48cm.



Sigurd the Crusader_99x44cm_2012_OleoSobreTela.




Nenhum comentário:

Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now